PF mira em empresas que atuam no aeroporto

PF deflagrou a operação contra o tráfico internacional
PF deflagrou a operação contra o tráfico internacional - FOTO: Divulgação

As inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) precisariam começar em dia - no começo de junho - para que a prova fosse feita em novembro, quando normalmente acontece. A presidência do Instituto Nacional de Pesquisas e Estudos Educacionais (Inep) ignora desde abril diversos alertas de relatórios de gestão de risco, aos quais o Estadão teve acesso, indicando a falta de definição e de documentos do processo. Segundo servidores do próprio Inep, o cronograma está tão atrasado que é praticamente impossível realizar o exame em 2021.

Mesmo com os atrasos e sem orçamento suficiente, o governo Bolsonaro vem insistindo que se organiza para realizar o Enem este ano. Os alertas enviados para a direção do Inep mostraram nível "elevado" de risco em 13 de abril para a não realização da prova, já que o edital do Enem ainda não havia sido publicado - o que não ocorreu até ontem. Normalmente, o edital sai em março e as inscrições ocorrem em maio. O Relatório de Monitoramento e Gestão de Riscos, feito por uma empresa contratada para isso, a Modulo, diz que pode haver "insuficiência de tempo para preparação do exame".

São necessários 170 dias entre o fim de inscrições e o dia da prova para que todo o processo de elaboração, distribuição e logística seja cumprido. Quando esse prazo não foi cumprido, em 2009, e os processos tiveram de ser acelerados, houve o escândalo do roubo do Enem, noticiado pelo Estadão. Até este momento, o Inep apenas publicou o edital para que os alunos que precisam de isenção da taxa de inscrição façam seus pedidos. Esse processo termina em 25 de junho e só depois dele, segundo servidores, as inscrições de fato poderiam começar. "Em condições normais não dá para fazer, caso contrário vamos aumentar os riscos absurdamente, comprimindo prazos que a gente não pode comprimir", disse um servidor que pediu para não ser identificado.

Se as inscrições começarem em 30 de junho, por exemplo, a prova só poderia ser realizada em 26 de dezembro. A data é considerada inexequível por servidores, já que é logo após o Natal. Nessa época, os Correios, que trabalham na distribuição do Enem, estão em seu momento de maior atividade por causa dos presentes de fim de ano. (E.C.)