Pesquisa comprova efetividade de vacina

27.160 pessoas acima de 18 anos receberam as duas doses em meados de abril
27.160 pessoas acima de 18 anos receberam as duas doses em meados de abril - FOTO: Wanderley Costa/Secop Suzano

A vacinação em massa da população de Serrana com a CoronaVac demonstrou que o imunizante é efetivo também para evitar hospitalizações e mortes entre idosos maiores de 70 anos. Dados preliminares foram apresentados ontem em coletiva de imprensa do Instituto Butantan.

O município do interior paulista foi escolhido por pesquisadores para um estudo sobre os efeitos da vacinação em massa na população adulta. Ao todo, 27.160 habitantes acima de 18 anos receberam as duas doses da CoronaVac em uma campanha finalizada em meados de abril.

De acordo com dados apresentados pelo diretor médico de pesquisa clínica do Butantan, Ricardo Palacios, o número de hospitalizações e mortes na faixa etária superior aos 70 anos foi reduzido a zero após a semana epidemiológica 14, quando 95% dos adultos de Serrana já estavam vacinados. Foram registrados apenas uma morte e uma internação nessa faixa etária, mas entre indivíduos não imunizados. Antes da conclusão da vacinação, o número de registros do tipo chegou a cinco por semana.

O Butantan não apresentou todos os dados brutos da pesquisa, justificando que eles serão publicados em artigo científico futuramente. Segundo Palacios, os dados demonstram o efeito também indireto da campanha de vacinação em massa na proteção até dos não vacinados.

"Isso reflete a somatória do efeito direto e indireto da vacina, ou seja, entre as pessoas que recebem a vacina e a redução da transmissão do vírus. O efeito da vacina é tão forte que ele consegue proteger aqueles que não foram vacinados em idades mais avançadas", declarou Palacios.

O presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, o resultado da pesquisa indica que não há necessidade de revacinar ou dar dose de reforço a idosos que receberam a CoronaVac.