Moradores da região onde foi feito cerco relatam terror

Lázaro é acusado de matar, a tiros e facadas, três pessoas na zona rural de Ceilândia
Lázaro é acusado de matar, a tiros e facadas, três pessoas na zona rural de Ceilândia - FOTO: Reprodução

A outrora pacata cidade de Cocalzinho de Goiás (GO), no meio do caminho entre Brasília e Goiânia, enfrenta dias de medo. O motivo é Lázaro Barbosa, de 32 anos, conhecido como "serial killer do DF", acusado de matar uma família inteira na semana passada. O cerco policial para capturá-lo já dura nove dias e as buscas se concentram na região, onde ele foi visto pela última vez.

Paulo de Souza Monteiro, de 58 anos, que trabalha em uma propriedade rural no distrito de Girassol, pertencente a Cocalzinho, resume o espírito dos moradores: "A gente não consegue nem dormir". O chacareiro afirmou que sua mulher está grávida e ele tem receio de que algo de ruim possa acontecer. "Penso mais nela."

A Polícia Militar usa helicópteros, cães farejadores e conta com auxílio da Polícia Federal para capturá-lo. Segundo agentes que acompanham as buscas, Lázaro conhece bem a área, onde mora sua família, e tem facilidade para se esconder na mata. A polícia confirmou que o homem também é investigado pela morte de um caseiro em Girassol, no dia 5 de junho, quatro dias antes do assassinato de uma família em Ceilândia.

"Estou com 58 anos, nunca vi um trabalho desses, nunca vi mesmo. Esse tanto de avião em cima de mim e eu andando, nunca vi", afirmou o chacareiro. Cocalzinho é uma cidade pequena, com pouco mais de 18 mil habitantes, a 115 km de Brasília. O município costuma apresentar baixos índices de homicídio. De acordo com dados mais recentes do Atlas da Violência, levantamento feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a taxa de homicídio na cidade era de sete por 100 mil habitantes em 2017.

Amanda Tavares, de 24 anos, dona de um salão de beleza na área urbana da cidade, afirmou que o cerco a Lázaro mudou drasticamente a rotina dos moradores. "O medo de ele aparecer na casa da gente só aumenta a cada dia que passa", afirmou.

"A chácara que ele entrou na terça-feira passada e fez três reféns sempre foi tranquila. Sempre passamos feriados lá e nunca imaginamos que tamanha barbaridade poderia acontecer tão perto da gente", disse a moradora.

A empresária relata que o movimento no seu salão diminuiu pelo receio das pessoas de deixarem suas casas. "Por conta da pandemia da Covid-19, não está podendo ter nada. A cidade não pode ter nada nos bares e o pessoal estava indo para fazenda, fazendo aniversário, chá de bebê, tudo em fazenda. Agora está todo mundo com medo de ir."

Uma força-tarefa com cerca de 200 policiais foi montada e tem usado o distrito de Girassol, área rural de Cocalzinho, como base. Lázaro é acusado de matar, a tiros e facadas, três pessoas na zona rural de Ceilândia no último dia 9 de junho.