'CPI da mentira' não vai derrubar governo, diz Jair Bolsonaro

Bolsonaro voltou a recomendar o uso de medicamentos sem eficácia comprovada
Bolsonaro voltou a recomendar o uso de medicamentos sem eficácia comprovada - FOTO: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) reforçou ontem críticas à CPI da Covid no Senado, que investiga atos e omissões do governo federal no combate à Covid-19. Segundo Bolsonaro, o colegiado é "a CPI da mentira", "onde não se busca a verdade", e "que se ilude achando que vai derrubar o governo federal".

Durante cerimônia de liberação da pavimentação de 102 km da Rodovia Transamazônica (BR-230/PA), Bolsonaro voltou a recomendar o uso de medicamentos sem eficácia comprovada, citando-os por nome, e disse recomendar que "pessoas que tenham problemas com a Covid-19 que procurem seu médico para o tratamento precoce". Nas transmissões semanais das últimas semanas, o presidente tem evitado divulgar o nome e o uso de remédios sem comprovação contra a Covid-19 sob pena de ter o conteúdo retirado das redes sociais por violação aos termos de uso.

'Entregaremos um país muito melhor do que aquele que recebemos'.

Bolsonaro também disse que entregará, ao fim de seu mandato, um país melhor em relação a janeiro de 2019, quando iniciou o governo. Após ressaltar a maioria cristã da população brasileira, ele afirmou que deseja a vitória de alguém "de direita, conservador e que respeite a família" nas eleições presidenciais de 2022.

"Respeitamos todas as religiões, mas é muito bom ter Deus no coração", disse durante cerimônia de liberação da pavimentação de 102 km da Rodovia Transamazônica (BR-230/PA) e assinatura da ordem de serviço para o Início das obras da ponte sobre o Rio Xingu.

Ele voltou a destacar medidas de assistência social, como o auxílio emergencial, que, segundo ele, custou o equivalente a dez vezes o valor do Bolsa Família. "O governo não pestanejará para destinar recursos para atender necessidades básicas do seu povo."