Recuperação tem um longo caminho, diz Powell

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, afirmou que a recuperação da economia dos Estados Unidos após o choque da pandemia "ainda tem um longo caminho pela frente". Durante audiência no subcomitê da Câmara dos Representantes sobre a crise do coronavírus, o dirigente previu que o país verá uma "criação forte de empregos" até o outono local.

Questionado sobre a trajetória da inflação, Powell comentou que é "difícil prever" o momento exato em que o avanço de preços fruto do quadro da retomada econômica perderá força.

Ele espera, de qualquer modo, que essa perda de fôlego ocorra adiante, conforme a oferta e a demanda se ajustam.

Durante seu depoimento, Powell admitiu que levará algum tempo até que o cenário na economia fique mais claro, por exemplo como exatamente estará o mercado de trabalho no pós-pandemia.

Em outro momento, ele notou que de fato a mecanização industrial pode representar o fim de alguns empregos no setor.

O presidente do Federal Reserve ainda afirmou ontem ser "muito improvável" que a alta atual na inflação nos Estados Unidos repita o cenário visto nos anos 1970, quando mostrou alta mais aguda. Durante o depoimento, ele reafirmou que a trajetória atual dos preços é fruto do contexto de retomada forte na demanda, com a oferta ainda limitada em alguns setores, conforme o país avança gradualmente para reabrir a economia e avançar na vacinação contra a Covid-19.

Dólar

Powell também falou sobre o dólar. Segundo ele, é a reserva mundial, graças a características dos EUA como sua democracia, os fundamentos da economia. "Nenhuma moeda pode competir com o dólar", garantiu. (E.C.).