Luis Miranda pede para remarcar depoimento à PF

O deputado Luis Miranda (DEM-DF) pediu para que fosse remarcada a data de seu depoimento à Polícia Federal. Com isso, a oitiva prevista para a tarde de ontem deverá ser realizada somente em agosto. O parlamentar será ouvido no inquérito aberto para apurar suposta prevaricação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) diante de supostas irregularidades na importação da vacina indiana Covaxin.

As suspeitas foram levadas a Bolsonaro pelo deputado e pelo irmão dele, o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda, em março, e se tornaram um dos focos da CPI da Covid.

Procurado para comentar o motivo do pedido para falar à PF em outra data, o deputado do DF não se manifestou. Anteontem, ele disse que aproveita o recesso parlamentar para ter férias com a família.

No mesmo dia, o jornal O Globo publicou que, no depoimento prestado na semana passada, Luis Ricardo afirmou não ter mais as mensagens em que ele alega ter sido pressionado por superiores para liberar a importação do imunizante pois trocou de aparelho celular.

Chefe da divisão de importação do ministério, Luis Ricardo diz ter identificado inconsistências em documentos que autorizariam o embarque das vacinas ao Brasil.Entre elas, um pedido de pagamento antecipado para empresa que não estava no contrato.As mensagens não ficaram salvas na nuvem e não foram espelhadas para o novo aparelho. À polícia, porém, ele afirmou manter todos os "prints" - fotos das conversas. (E.C.)