Cármen Lúcia pede para CPI esclarecer quebra de sigilo de deputado

Deputado Ricardo Barros durante sessão de votação para presidente da Câmara dos Deputados.
Deputado Ricardo Barros durante sessão de votação para presidente da Câmara dos Deputados. - FOTO: Valter Campanato/Agência Brasil

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia pediu hoje (19) que a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia esclareça em 24 horas a decisão que determinou a quebra dos sigilos fiscal, bancário e telefônico do deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara dos Deputados.

Cármen Lúcia é relatora de um mandado de segurança do parlamentar para suspender a quebra. Antes de decidir a questão, a ministra pede que a comissão esclareça os motivos pelos quais a quebra abrange período anterior à pandemia.

"Determino sejam requisitadas informações à autoridade indigitada coatora, em especial sobre a quebra do sigilo fiscal a alcançar período anterior ao pandêmico (2016 até a presente data), para prestá-las no prazo máximo de 24 horas", decidiu

A defesa de Barros recorreu ao Supremo após a CPI decidir, na manhã de hoje, aprovar requerimento para acessar os sigilos do deputado. 

Para os advogados, a medida é um "ato nitidamente inconstitucional" e sem fundamentação. Além disso, a defesa sustenta que a CPI não pode determinar a medida contra parlamentares. 

"Na?o ha? du?vidas de que a ause?ncia de previsa?o de quebras de sigilo ou outras dilige?ncias constritivas em relac?a?o a? membros do Congresso Nacional sa?o vedadas pelo ordenamento pa?trio", argumentam os advogados.