PF faz operação contra fraude em benefícios do INSS no Rio

A Polícia Federal deflagrou hoje (8) a Operação Tempo Real, com o objetivo de desarticular um grupo de ex-servidores públicos que, com a ajuda de “representantes de empresa”, teriam praticado fraude e superfaturamento para a aquisição de equipamentos que teriam como destino o combate à pandemia do novo coronavírus em São Luís (MA).
A Polícia Federal deflagrou hoje (8) a Operação Tempo Real, com o objetivo de desarticular um grupo de ex-servidores públicos que, com a ajuda de “representantes de empresa”, teriam praticado fraude e superfaturamento para a aquisição de equipamentos que teriam como destino o combate à pandemia do novo coronavírus em São Luís (MA). - FOTO: Polícia Federal / Operação Tempo Real

A Polícia Federal realizou, hoje (19), a Operação GHOST, para cumprir mandado de busca e apreensão no escritório de um advogado, no bairro Coelho da Rocha, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense. As investigações apontaram que o homem usava documentos falsos e alegava prestar assessoria para dar entrada em benefícios do INSS. De acordo com a PF, os policiais federais apreenderam diversos documentos e equipamentos utilizados na prática do crime.

O Núcleo Regional da Coordenação Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista no Rio de Janeiro, do Ministério do Trabalho e Previdência deu apoio à operação que foi acompanhada por dois representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

O mandado de busca e apreensão foi expedido pela 3ª Vara Federal de São João de Meriti/RJ e, segundo a PF, o suspeito responderá pelos crimes de estelionato previdenciário, falsidade ideológica e material, além do uso de documento falso. “Sem prejuízo de eventuais outros crimes no decorrer da investigação”, completou.

O nome GHOST escolhido para a operação foi porque na prática o advogado “conseguia benefícios previdenciários com base em documentos de pessoas inexistentes – fantasmas, informou a PF.