Brasil se beneficiará de ações para redução da emissão de metano

Os ministros do Meio Ambiente, Joaquim Leite, das Relações Exteriores, Carlos França e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, dão entrevista coletiva, na Sala dos Tratados do Palácio Itamaraty,sobre os resultados da participação brasileira na 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP26)
Os ministros do Meio Ambiente, Joaquim Leite, das Relações Exteriores, Carlos França e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, dão entrevista coletiva, na Sala dos Tratados do Palácio Itamaraty,sobre os resultados da participação brasileira na 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP26) - FOTO: José Cruz/Agência Brasil

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, esclareceu, hoje (22), que o Brasil e os outros 102 países que se comprometeram a reduzir em 30% as emissões globais do gás metano até 2030 ainda vão discutir com quanto cada nação precisará contribuir para que a meta definida durante a 26ª Conferência sobre as Alterações Climáticas (COP26) seja atingida conjuntamente. 

“Trinta por cento é a meta [conjunta] de [redução de] todos os países que assinaram este acordo”, destacou a ministra ao fazer um balanço sobre a participação brasileira na COP26. Também participaram da apresentação sobre os compromissos e as ações que o país vai implementar ou já desenvolve os ministros do Meio Ambiente, Joaquim Leite, e das Relações Exteriores, Carlos França.

“Cada país vai colocar sua meta”, acrescentou Tereza Cristina, destacando que o compromisso é “voluntário e não-vinculante”. Segundo a ministra, uma das primeiras tarefas para os setores público e privado será aprimorar as formas de medir o volume das emissões de metano, principalmente na pecuária. O que, segundo a ministra, indicará que o Brasil já vem fazendo muito para eliminar a emissão de gases do efeito estufa, incluindo o metano.

“O Brasil já caminhou muito com isso. Temos muitas ações que já acontecem para esta diminuição [da emissão] de gás metano. Muitas iniciativas que, agora, vão ser melhor quantificadas por nós para, então, o Brasil assumir sua meta [frente aos demais países] dentro desses 30% [globais]”, acrescentou Tereza Cristina.

Fazendo coro à ministra, Joaquim Leite disse que a discussão sobre os percentuais de redução das emissões de metano com que cada país contribuirá para o esforço global permitirá ao Brasil “expor ao mundo os programas nacionais já existentes”.

“O Brasil já tem políticas de redução, como o [Programa Nacional] Lixão Zero, que diminui [a emissão] de metano; a agricultura de baixo carbono. Então, o Brasil já vem implementando políticas nacionais que vão contribuir para [atingirmos] a meta global. [A partir disso] vamos apontar este volume com que vamos contribui”, disse o ministro do Meio Ambiente. 

“Por isso nós tínhamos que estar dentro desse acordo. Para mostrar ao mundo que o Brasil é parte da solução e já faz essas atividades [de tentar eliminar parte das emissões]”, disse o ministro.