Alocação de leitos para covid para planos de saúde cai em outubro

Alocação de leitos para covid para planos de saúde cai em outubro
Alocação de leitos para covid para planos de saúde cai em outubro FOTO:

O Boletim Covid-19 de novembro da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), divulgado hoje (25), indica que a quantidade de leitos alocados nos hospitais para atendimento de casos de covid-19 para operadoras de saúde manteve em outubro a queda que começou a ser registrada em abril, atingindo patamar inferior ao observado em outubro de 2020. Naquele momento se dava o início da segunda onda da pandemia.

De acordo com a ANS, a taxa mensal geral de ocupação de leitos, que inclui atendimento à covid-19 e outros procedimentos, alcançou 72% em outubro. Esse é o mesmo patamar observado no mesmo mês em 2019, quando não havia pandemia. A ocupação de leitos comuns e de UTI para casos de covid-19 registrou recuo significativo. Em outubro ficou em 40%. A taxa em março deste ano chegou a 79%.

Beneficiários

O número de beneficiários de planos de saúde em outubro permanece com a tendência de crescimento observada desde julho de 2020, o que para o órgão regulador representa, mais uma vez, o interesse dos brasileiros no acesso à saúde suplementar. De acordo com a publicação, o total atingiu 48,575 milhões de beneficiários, um aumento de 0,10% em relação ao mês anterior.

Na comparação de outubro deste ano com o mesmo mês do ano passado, a contratação pelo tipo coletivo empresarial subiu 4,62% na faixa até 59 anos de idade e 3,46% acima dessa idade. Já a contratação coletivo por adesão teve aumento de 0,68% acima dos 59 anos de idade e de 0,61% até essa idade.

Exames

A busca por exames e terapias teve queda de 1,4% na comparação com outubro de 2019. “Apontando para um retorno à normalidade na utilização desses serviços de saúde, a retomada da realização de exames e terapias eletivas é esperada para que haja a continuidade do cuidado, detecção e tratamento precoces de doenças para o adequado acompanhamento de pacientes crônicos”, diz o boletim.

O número de exames RT-PCR para detecção da covid-19 realizados em julho deste ano caiu 23,8 % em relação ao mês anterior, retornando ao patamar de novembro de 2020. No caso dos exames de pesquisa de anticorpos, o recuo foi ainda maior, com redução de 42,81% de junho para julho.

Consumidores

Em outubro deste ano, o total de reclamações registrou um aumento de 4,5%, em relação a setembro. Segundo a ANS, essas reclamações foram passíveis de intermediação pelo instrumento da Notificação de Intermediação Preliminar (NIP). Já as demandas relacionadas à covid-19, caíram e alcançaram 384 no mês.

“Do total de queixas relacionadas ao coronavírus, 39% dizem respeito a dificuldades relativas à realização de exames e tratamento para a doença. A intermediação de conflitos feita pela ANS, entre consumidores e operadoras, tem resolvido mais de 90% dessas reclamações”, informa o documento.

Dados

Para a análise dos indicadores assistenciais, a ANS considerou informações coletadas junto a uma amostra de 49 operadoras que têm rede própria hospitalar. A avaliação dos índices econômico-financeiros levou em consideração dados de 105 operadoras para o estudo de fluxo de caixa e análise de inadimplência. “Juntas, as operadoras respondentes para esses grupos de informação compreendem 74% dos beneficiários de planos de saúde médico-hospitalares”, informou.