Geral

Mãe e filha criam editora para lançar autoras brasileiras

Agência Brasil
08/07/2022 às 21:10

Divórcio, educação de mulheres, feminismo. Esses são alguns dos temas já abordados por autoras brasileiras que publicaram livros nos séculos 19 e 20. Muitos desses livros não chegaram a ter espaço no mercado editorial e acabaram no esquecimento. Para resgatar essas obras, a jornalista Ana Maria Leite Barbosa e a filha, Carol Engel, formada em marketing e com experiência no mercado editorial, criam a Janela Amarela Editora.

Criada em plena pandemia, em 2020, a editora, além de publicar autores independentes, conta hoje com sete títulos, todos escritos por mulheres, entre os anos de 1801 e 2000, nos formatos físico e digital. “Muitas delas já estavam discutindo nessa época assuntos que discutimos atualmente”, diz Carol.

Carol trabalhava em uma editora quando veio a pandemia de covid-19. Ela teve o salário e a carga horária reduzidos. Ao mesmo tempo, a mãe, Ana Maria, desligou-se da empresa onde trabalhava. Com tempo livre disponível e em busca de uma atividade para recompor o orçamento, juntas, fundaram a Janela Amarela Editora. O nome surgiu, inicialmente, por conta da sonoridade. A partir daí, Carol e Ana Maria foram entendendo que combinava tanto a ideia de que pelas janelas entram e saem notícias, ideias e conversas, quanto o amarelo da luz e da energia, que geram criatividade.

Carol Engel ,Janela Amarela Editora

Carol Engel conta que o primeiro livro da Janela Amarela veio de um sonho - Tomaz Silva/Agência Brasil

“Eu estava lendo muitos clássicos ingleses e me perguntando: ‘Estou lendo as inglesas todas que escreveram por volta de 1800, e cadê as brasileiras? Ninguém escrevia nessa época?”, diz Carol. Foi a partir desse questionamento que veio a ideia de buscar autoras brasileiras que publicaram nos séculos 19 e 20.

Há 200 anos, o Brasil, recém independente de Portugal, vivia um regime imperial. A escravidão era legal e institucionalizada e assim foi até 1888. No século 19, a gestão do lar e a educação dos filhos cabia às mulheres. Os homens brancos dominavam o mercado de trabalho nas cidades e ocupavam as posições de poder. Segundo a publicação do Senado Federal Escritoras do Brasil [LINK: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/562126/Opusculo_humanitario.pdf], o Censo realizado em 1872, apurou que 23,4% dos homens eram alfabetizados, enquanto 13,4% das mulheres sabiam ler e escrever, sendo que elas eram, praticamente, a metade da população, 48%.

 

Escolha das autoras

 

Feito o recorte temporal, Carol e Ana Maria precisavam, então, escolher uma primeira autora, para dar início aos trabalhos da Janela Amarela. Como se trata de uma editora pequena, a ideia foi começar com obras de domínio público, ou seja, obras que podem ser reproduzidas e distribuídas sem necessidade de autorização. “A gente queria que fosse domínio público, mas não queria que fosse o domínio público que todo mundo tem, como Memórias Póstumas de Brás Cubas [de Machado de Assis] ou O Cortiço [de Aluísio Azevedo]. A gente queria uma coisa nova”, conta Carol.

Julia Lopes de Almeida veio em um sonho. O livro A Árvore, escrito por ela, era o livro de cabeceira da mãe de Ana Maria, avó de Carol. Quando ela faleceu, Ana Maria ficou com a obra, mas nem sequer a folheou. Até que um dia, sonhou com o livro. “Quando ela olhou o livro, viu que era de uma mulher, e uma mulher que estava em domínio público. Na época, eu estava justamente lendo A Falência [da mesma autora]. Ela chegou na sala e falou: ‘Já sei quem vamos publicar’”.

A carioca Julia Lopes de Almeida viveu entre 1862 e 1934. É autora de contos, peças teatrais, novelas e romances. Ocupou as primeiras páginas de jornais da época, espaço então reservado para os escritores homens. Republicana, defensora da abolição do regime escravocrata, do divórcio e da educação feminina, escreveu por 30 anos no jornal O Paiz e teve textos publicados na Gazeta de Campinas, Jornal do Commercio, Tribuna Liberal, A Mensageira, A Família, Kosmos, entre outros veículos.

Julia Lopes de Almeida foi também a única mulher a participar das reuniões que deram início a Academia Brasileira de Letras (ABL), mas, como conta Ana Maria, apesar de trabalhar tanto pela instituição, não pode fazer parte simplesmente por ser uma mulher. A autora tem títulos já publicados, mas tem também outros desconhecidos. E eles viraram o foco da editora.

Divórcio e educação

As autoras escolhidas têm características comuns, todas são consideradas de alguma forma revolucionárias e abordam temas que eram tabus na época em que viveram, como o divórcio, que só foi instituído oficialmente no Brasil em 1977. Outro tema era a educação feminina. A publicação feita pelo Senado Federal mostra que, em 1853, o país contava com uma população de aproximadamente 9 milhões de habitantes, entre os quais somente 55,5 mil estavam matriculados nas escolas, sendo que apenas 8.443 eram mulheres. Foi no século 19 que as mulheres passaram a poder trabalhar como professoras, mas ainda sem poder ocupar cargos superiores, como o de diretora de escola.

 “Já se falava muito na educação feminina, a maioria das autoras foca nisso. Não sei se por acaso, mas a gente pegou autoras que estão preocupadas com isso, que falam que as mulheres tinham que estudar. Dizendo, dentro do contexto da época que as mulheres tinham que cuidar do lar, mas nada impedia que tivessem suas publicações. Quantos homens não escreviam seus livros e eram advogados e jornalistas?”, diz Carol.

Em Cruel Amor, segundo a editora, Júlia Lopes de Almeida trabalha com personagens femininas e questiona por que não pode casar com o homem que quer e, se for do seu desejo, por que não casar inclusive por dinheiro?

Pesquisa

As obras da Janela Amarela são impressas sob demanda e enviadas para todo o país. Por meio de parcerias, a editora consegue também imprimir obras no exterior, também sob demanda. A divulgação é toda feita na internet e é também pela internet, por meio das redes sociais, que mãe e filha recebem indicações de autoras. Um dos livros da editora, A Divorciada, de Francisca Clotilde, veio de uma indicação no Instagram. 

“Uma das leitoras, pelo Instagram, nos falou dela. Foi difícil de achar, porque a edição que encontramos estava incompleta. Ana Amelia Mota, que estuda Francisca Clotilde, que tinha a obra, nos mandou fotos da edição dela e a gente conseguiu completar”, diz. Francisca fazia parte da Academia Cearense de Letras, instituição que segundo Carol, as cumprimentou pela publicação.

Para publicar, a proposta é buscar as primeiras edições das obras selecionadas. E isso, segundo Carol, exige muita pesquisa, muitas visitas a bibliotecas e sebos. Um dos próximos livros a ser publicado é Fantasia, de Cândida Fortes Brandão. Para achar a obra, elas entraram em contato com a prefeitura de Cachoeira do Sul (RS), cidade onde a professora e escritora nasceu e onde encontraram um exemplar no Museu Municipal da cidade.

“Conseguimos descobrir um único exemplar do livro, em péssimo estado, sem capa. Digitalizaram e vão mandar para nós. Têm páginas que estão falhadas. Estamos em contato com eles para mandarem fotos de alguns trechinhos. É assim, trabalho de formiguinha, ir procurando e descobrindo”, diz a editora. Outro livro, que Carol não revelou qual é, mas garantiu que será publicado em breve, foi encontrado apenas nos Estados Unidos.

Embora os livros escritos por mulheres, no Brasil, tenham ganhado cada vez mais espaço nas estantes das livrarias, levantamentos mostram que elas ainda são minoria no mercado editorial. Levantamento feito sob coordenação da professora Regina Dalcastagnè, da Universidade de Brasília, mostra que entre 1965 e 1979, 17,4% dos autores de romances eram mulheres. Entre 2005 e 2014, essa porcentagem sobe para 29,4%.

Quem Somos

Fundado por Paschoal Thomeu – circulou em 22 de novembro de 1975. Em 1992, o administrador de empresas e publicitário Sidney Antonio de Moraes adquiriu a marca e relançou o jornal em 27 de outubro. O projeto foi ganhando força e, em 23 de abril de 1997, o jornal, até então preto-e-branco e veiculado apenas uma vez por semana, passou a circular colorido e bissemanalmente. Em 18 de maio do mesmo ano, a circulação foi ampliada para trissemanal e, finalmente, em 21 de junho de 1997 concretizou-se o lançamento do Mogi News diário. São inúmeras ações que, aliadas à qualidade editorial e gráfica, consagram o Mogi News como o jornal mais lido e respeitado do Alto Tietê

Entre em contato:

(11) 4735-8000
[email protected]
[email protected]
[email protected]

Av: Japão, 46 - sala 06 - Vila Ipiranga - Centro - Mogi das Cruzes

© 2022 Todos Os Direitos Reservados Ao Portal News