Violência

GCM é acusada de violência, Prefeitura vai apurar caso

Agentes da Guarda Municipal e da Fiscalização de Posturas teriam comparecido a uma apresentação musical em uma adega, onde mais de dez pessoas teriam sido feridas; Prefeitura alega que local contava com "pancadão" e que agentes foram agredidos

André Diniz
08/03/2022 às 05:30
Atualizada em 08/03/2022 às 07:24.
Mariana Acioli

Urbanização e regularização de bairros - Vila Nova União - FOTO: Mariana Acioli

Mogi - Moradores da Vila Nova União acusaram agentes da Guarda Civil Municipal (GCM), de violência excessiva em uma intervenção ocorrida na madrugada de sábado que teria deixado dez pessoas feridas.

Segundo testemunhas, a ação ocorreu em uma adega localizada na rua Yoshio Honda, quando um destacamento da Ronda Ostensiva Municipal (Romu) teria comparecido ao local, onde estaria acontecendo uma apresentação musical. No relato de pessoas que estavam no local, os agentes utilizaram balas de borracha, bombas de efeito moral e spray de pimenta.

Segundo uma das testemunhas, que pediu para que seu nome fosse mantido sob anonimato, os GCMs utilizaram de violência excessiva em três casos: "Um dos jovens já estava de joelhos no chão quando foi atingido por balas de borracha por três guardas. Um outro perdeu a visão de um dos olhos quando foi atingido por uma bala de borracha no rosto, e uma menina quebrou o pé tentando fugir do tumulto. Todos que se feriram foram para o hospital em carros de particulares", informou.

A Secretaria de Segurança informou em nota que a Pasta teria recebido a solicitação de moradores do bairro sobre um pancadão em frente a uma adega, e que por voltada 1 hora de sábado as equipes da GCM e do Departamento de Fiscalização de Posturas foram encaminhadas ao local. Segundo o relato das equipes, elas teriam sido hostilizadas e teriam sido alvo de paus, pedras e garrafas de vidro. "Assim, foi adotada a utilização de equipamentos não-letais, conforme determina o procedimento-padrão para estes casos", declarou.

O fiscal de Posturas teria feito então duas anotações - uma por perturbação do sossego, outra por "pancadão" contra o proprietário de um veículo no local. Perguntado sobre a apresentação musical, a testemunha negou que fosse um "pancadão", e que era apenas um show ao vivo de um grupo de samba. "Havia crianças e idosos, era um ambiente familiar", concluiu.

Sobre o uso excessivo de violência pelos agentes da Guarda Municipal, a Secretaria de Segurança informou que a ocorrência será apurada pela corregedoria da corporação para levantamento dos fatos, circunstâncias e depoimentos, e que após este procedimento será possível definir a adoção das providências cabíveis para o caso. "A Prefeitura de Mogi das Cruzes reitera que não compactua com qualquer tipo de abuso ou violência e o seu compromisso em apurar de forma completa e transparente aos fatos", concluiu.

 

Quem Somos

Fundado por Paschoal Thomeu – circulou em 22 de novembro de 1975. Em 1992, o administrador de empresas e publicitário Sidney Antonio de Moraes adquiriu a marca e relançou o jornal em 27 de outubro. O projeto foi ganhando força e, em 23 de abril de 1997, o jornal, até então preto-e-branco e veiculado apenas uma vez por semana, passou a circular colorido e bissemanalmente. Em 18 de maio do mesmo ano, a circulação foi ampliada para trissemanal e, finalmente, em 21 de junho de 1997 concretizou-se o lançamento do Mogi News diário. São inúmeras ações que, aliadas à qualidade editorial e gráfica, consagram o Mogi News como o jornal mais lido e respeitado do Alto Tietê

Entre em contato:

(11) 4735-8000
editor@moginews.com.br
editor@jornaldat.com.br
aline.portalnews@moginews.com.br

Av: Japão, 46 - sala 06 - Vila Ipiranga - Centro - Mogi das Cruzes

© 2022 Todos Os Direitos Reservados Ao Portal News