Caio Cunha faz um balanço do 1º mês da gestão

Prefeito revelou que vai realizar balanço mais detalhado após 100 dias de mandato
Prefeito revelou que vai realizar balanço mais detalhado após 100 dias de mandato - FOTO: Mariana Acioli/Arquivo

Primeiro mês

O saldo é de muito trabalho, muito intenso. A gente teve um período muito curto para a transição, não tivemos todas as informações e agora mergulhamos nos detalhes dos contratos e outras situações da cidade. E, embora a transição tenha sido cortês, nossa chegada aqui, ao ver algumas coisas, foi um pouco decepcionante. A cada dia a gente tem a convicção de que não havia um compromisso com a cidade.

Desafios deixados

Quando falo de decepção, é que nosso alvo é a cidade e o cidadão. Eu venho do Legislativo e sei que houve uma movimentação da antiga gestão para empurrar pagamentos de dívidas. Aí chega no último mês, encontramos um pagamento de R$ 10 milhões de licença prêmio, que é um direito do servidor público, mas há um limite para ser pago, que é de
R$ 150 mil, por mês.

Outro exemplo: cestas básicas que recebemos do Estado, cerca de 28 mil. A gestão passada distribuiu uma parte, utilizando os motoristas e os carros do transporte escolar. Só que eles deram, para janeiro, férias para todos os motoristas e tivemos o risco de ter material perdido. Graças a Deus a gente conseguiu fazer essa distribuição.

Na parte da Educação a gente precisa de dados para tomar decisões e parecia que não tinha Secretaria de Educação, pois estava sem dados atualizados. Enfim, preciso ser claro porque estou tendo trabalho árduo de renegociar contratos, como por exemplo o dos radares, renovados em dezembro. Você pega três cidades do mesmo porte de Mogi, com mesmo equipamento e serviço, o valor 194% a mais em Mogi. Chamamos a empresa e negociamos o valor. O bom é que nosso time é técnico e está com energia para fazer a coisa certa. Mês de muito trabalho, em que já estamos implementando nossa cultura de dar mais agilidade e de maior proximidade. Também foi um mês de estar mais próximo dos empresários, que querem nos conhecer, isso foi importante.

Mais empresas

A gente acabou de salvar 4 mil empregos de Mogi. A Neobpo, de telemarketing, estava para sair de Mogi, estava tentando negociar com a Prefeitura sua permanência em Mogi e, por motivo que eles mesmos não quiseram falar, o negócio não avançou. Identificamos o problema, sentamos com eles e acertamos. Além da permanência, eles estão com o compromisso de investir na cidade com um novo prédio e gerar mais empregos ainda nesse ano. Nesse período em que ficaram negociando com a gestão passada, Mogi deixou de gerar 2,4 mil empregos nessa empresa. Conseguimos reverter essa situação.

Gestão anterior

Eu gostaria de achar que foi erro, mas não é o que a gente tem identificado. Isso nunca aconteceu na história de Mogi, o pagamento desse jeito de licenças prêmio. A intenção de fato, que a gente entende, é o esvaziamento de caixa da Prefeitura para dificultar o nosso trabalho. Há vários detalhes que a gente identifica que são atitudes muito pequenas, não no tamanho, mas da atitude mesmo. A gente está falando de uma cidade de meio milhão de habitantes, isso é chocante quando a gente percebe que não há um cuidado, não há um zelo, uma responsabilidade com o que é público.

Pandemia

Graças a Deus o doutor Henrique Naufel, secretário de Saúde, aceitou o convite de ficar na Pasta, seria muito penoso se tivéssemos a troca de secretários. Todas as decisões que tomamos é com evidência técnica, tanto na saúde quanto na economia. Isso tem dado um respaldo muito importante para a gente.

Auditorias

A auditoria já está acontecendo. Inclusive, temos uma comissão de renegociação de contratos. Conseguimos num contrato de mobilidade, 30% de redução no valor. Quando falava do choque de gestão é na forma e na revisão dos contratos.

Mudanças

A grande diferença está, realmente, na forma. Ainda não conseguimos implementar tudo, até porque quando falamos de cultura organizacional, não muda de uma hora para outra. Mas dá para perceber que as pessoas já identificaram que a gente tem um estilo mais próximo, que estão sendo ouvidas. O que ouvimos dos funcionários é que eles não tinham a possibilidade de serem ouvidos.

 

Vice-prefeita

A Priscila é fantástica. Ela tem, de verdade, dividido as tarefas comigo. Por isso, estamos conseguindo fazer muito em tão pouco tempo. Por exemplo, a pauta da Educação é ela que está organizando. Nosso entrosamento é muito bom, enquanto eu estou correndo para um lado ela está indo para o outro.

Polêmicas

Sobre o Reinaldo (Reinaldo Barreiros, ex-secretário-adjunto de Esporte e Lazer), foi uma pena. Porque é um baita de um profissional, é um cara competente e, até pelo cuidado que ele tem com o projeto, ele pediu para sair. Eu conheço o Reinaldo desde 2017, 2018 nos aproximamos e é um cara super competente. Mas, naquela euforia das eleições de 2018, ele se posicionou e, quando seu posicionamento é extremo, a reação é extrema também. Então ele acabou chamando isso para ele. O resultado final não foi o melhor para Mogi, eu preferiria que ele estivesse aqui. Ele não é bandido, ele não é mau caráter, teve alguns posicionamentos igual qualquer pessoa tem e depois vê "putz, que babaca que fui".

Em relação a esse caso do secretário Cochi (Francisco Cardoso de Camargo Filho, secretário de Governo), nenhum temor. Não tem como dar em alguma coisa. O pedido de cassação é político e não jurídico, não avalia o mérito. Eu acredito na competência da Câmara. Ninguém está ali para fazer politicagem, a nova Câmara traz um senso ético muito bom. Fato é que em um mês já tivemos um pedido de cassação e cinco denúncias ao Ministério Público, pode ser coincidência, mas foi logo após a gente anunciar que faria a reavaliação dos contratos. São sempre os mesmos, as mesmas figurinhas.

Nova Câmara

A relação com a nova Câmara está boa, sim. Converso com todos, de acesso rápido, está sendo muito bom. Sobre o Chochi especificamente, eu já pedi aos vereadores para que não peçam em nenhum momento para que eu afaste ele, porque isso não vai acontecer. Assumo o risco da cassação, mas não afasto o Cochi.

Mais Mogi Ecotietê

Estamos avaliando, tenho algumas percepções sobre ele (projeto), mas preciso de um tempo para uma definição com mais propriedade. É um compromisso que a cidade vai ter nos próximos 30 anos para pagar, num valor relativamente alto, 69 milhões de reais.

Desafios

Acho que é a recuperação do pós-pandemia, tanto econômica quanto social. Acho que temos uma oportunidade incrível de inovar na Educação, que sempre vinha muito cartesiana. Agora deu uma chacoalhada em 2020. Ouso dizer que Mogi vai ser referência no Brasil em Educação diferenciada.

Pedágio

Infelizmente por conta de um posicionamento da gestão anterior, o pedágio é uma ameaça no município. Tive com o vice-governador Rodrigo Garcia falando especificamente sobre o pedágio. O que deu para perceber é que o projeto está de pé. Me posicionei firmemente com o governador que em Mogi não vai ter pedágio, na nossa gestão Mogi não vai ter pedágio.

Recado

As pessoas vão identificar mais da nossa marca e os resultados disso nos cem primeiros dias. Estamos preparando algo para essa data, até para apresentar para a população, principalmente as benfeitorias e o enxugamento dos gastos públicos.

Deixe uma resposta

Comentários