Vereadoras mogianas criam a Frente de Defesa da Mulher

As vereadoras Inês Paz (Psol), Fernanda Moreno (MDB) e Malu Ferreira (SDD) realizaram na semana passada a primeira reunião de trabalho para a criação da Frente Parlamentar de Defesa da Mulher da Câmara Municipal de Mogi das Cruzes. A iniciativa suprapartidária pretende estabelecer um novo canal de diálogo entre a sociedade e o poder público para questões envolvendo a saúde, o bem-estar e o empoderamento da mulher na sociedade.

A nova frente será ratificada em breve com a apresentação de um projeto de Resolução Legislativo, a ser votado na Câmara, que instituirá o grupo permanente de discussões.

Segundo a vereadora Fernanda Moreno, que também preside a Comissão de Justiça e Redação, serão realizadas reuniões periódicas com técnicos da administração municipal com o intuito de abordar os temas relacionados ao bem-estar e a melhoria de vida da mulher mogiana, bem como a elaboração de indicações e projetos de lei a serem discutidos no Legislativo.

Para Inês Paz, o espaço ocupado pela mulher ainda está abaixo do ideal, mas vem ganhando maior notoriedade ao longo dos anos. "A participação das mulheres, das mulheres negras e das mulheres trans na política e na sociedade vem sendo notada cada vez mais, e é importante ter este espaço", explicou.

Segundo o grupo, temas como a violência doméstica, a geração de empregos e a saúde estarão entre os principais eixos programáticos. Também estão previstos diálogos com as concessionárias do transporte público, a vice-prefeita Priscila Yamagami (Pode), e o Fundo Social de Solidariedade, dentre outros.

Dentro da Câmara, ao longo do mês de março, estão programadas ações voltadas para a conscientização e empoderamento das mulheres. Durante as sessões, realizadas duas vezes por semana, serão feitas proposituras de projetos de lei e de indicações à Prefeitura e aos órgãos competentes, em intervalos regulares.

A participação da sociedade civil e da comunidade, segundo Inês, será fundamental para o andamento. "Vamos conversar com o Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Mulher, com a Delegacia de Defesa da Mulher, com coletivos feministas e de defesa dos direitos de todas as mulheres. Queremos que todas tenham a inserção neste debate", afirmou.

Malu Fernandes defendeu que a criação do grupo permite representar a parcela feminina na Câmara, dando-lhe voz e vez. "A defesa da mulher é um dos três pilares do nosso mandato, por isso, a ideia é trabalharmos em conjunto com as outras vereadoras criando soluções efetivas para algumas pautas importantes, que precisam ser tratadas com maior atenção na sociedade, como a violência contra a mulher, espaço no mercado de trabalho, participação política, além de criarmos ações educativas contra o machismo e a favor da igualdade de gênero, por exemplo", concluiu.

Deixe uma resposta

Comentários