Condemat faz debate online sobre resíduos

dgdgdg
dgdgdg - FOTO: gdgdg

O Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat) participou na manhã de ontem do webinar "Consórcios intermunicipais para gestão e gerenciamento de resíduos sólidos: Governança, projetos estruturantes e boas práticas", realizado pelo Comitê de Integração de Resíduos Sólidos (Cirs) da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Meio Ambiente (Sima).

O evento foi aberto pelo secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido, que falou sobre a importância da governança regional e soluções consorciadas acerca de temas como aterro sanitário, coleta seletiva, logística reversa e educação ambiental.

O secretário executivo do Condemat, Adriano Leite destacou os trabalhos de integração dos municípios consorciados e a parceria com a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente e autarquias. "A atuação em bloco regional nos permite vivenciar diferentes experiências e buscar cada vez mais soluções regionalizadas e, sem dúvida, isso tem dado muito resultado e evidenciado a questão técnica da gestão e gerenciamento de resíduos sólidos", destacou.

O evento virtual também contou com a presença do coordenador executivo do Cirs, José Valverde Filho; o presidente da Desenvolve SP, Nelson de Souza; o presidente da Rede Nacional de Consórcios Públicos, Victor Borges, entre outros convidados.

A destinação de resíduos é uma das prioridades do Condemat que há algum tempo estuda tecnologias e modelos que se encaixem no tripé ambiental. Em 2017 o consórcio promoveu o 1º Fórum de Resíduos Sólidos do Alto Tietê e deu um importante passo para viabilizar a gestão regional, ao assinar um protocolo de cooperação técnica com o governo do Estado. Com avanços na coleta seletiva, capacitações e renovação da parceria estadual, o Condemat chegou a 2020 como uma região estratégica dentro do Plano de Resíduos Sólidos da Grande São Paulo, em fase de construção e abrangência dos 40 municípios da Bacia.

O consórcio tem em andamento dois projetos aprovados no Fundo Estadual de Recursos Hídricos (Fehidro). O primeiro é destinado aos estudos de alternativas para a compensação financeira aos municípios produtores de água e com restrições de uso e ocupação do solo em decorrência da Lei Estadual de Proteção aos Mananciais. A Fundação Estudo de Pesquisas Econômicas (Fipe) foi contratada pelo Condemat e está na etapa final do projeto. O segundo tem como objeto estudar a disponibilidade hídrica subterrânea nas áreas agrícolas. Juntos, os projetos somam aproximadamente
R$ 2,5 milhões.