EDP atende 2.877 ocorrências de pipas na rede elétrica do Alto Tietê em 2020

A EDP, distribuidora de energia elétrica do Alto Tietê, registrou o aumento expressivo de ocorrências relacionadas a pipas na rede elétrica em 2020 na região. Foram atendidos 2.877 casos atendidos, aumento de 21% comparado ao ano anterior. A distribuidora alerta que o contato das pipas com a rede elétrica pode causar acidentes graves, além da interrupção do fornecimento de energia.

A energia elétrica se tornou ainda mais essencial neste contexto de pandemia da Covid-19 e o impacto da interrupção do fornecimento mais preocupante, seja para residências, hospitais, centros médicos, locais de armazenamento e aplicação de vacinas ou unidades de serviço essencial. Com isso, a EDP reforça o alerta sobre os riscos da soltura de pipa próxima das redes elétricas.

Além do impacto ao fornecimento de energia, esta atividade se feita próxima ao sistema elétrico traz outra grande preocupação: o risco de graves acidentes. As linhas de pipas com cerol ou produtos cortantes causam desligamentos ao romper os cabos de energia e, também, podem provocar curtos-circuitos, ao ficarem presas na fiação e serem puxadas. "Um curto-circuito ocasionado por pipas na rede elétrica pode provocar desde danos materiais, até queimaduras, amputação de membros ou levar ao óbito. As pessoas nunca devem intervir na rede elétrica. A EDP deve ser acionada imediatamente e equipes técnicas são deslocadas para fazer a limpeza da fiação e restabelecer o fornecimento de energia" ressaltou Afonso Celso, gestor de operação da EDP.

Com o isolamento social, o ideal é que as crianças façam brincadeiras dentro de casa, mas caso optem pela pipa, é muito importante que a atividade seja feita de forma segura, longe da rede elétrica. "Sempre trabalhamos para restabelecer o fornecimento de energia o mais rápido possível, mas nossa preocupação maior é com a segurança. Para a soltura de pipas o recomendado é buscar espaços abertos, como parques e campos onde não exista o risco de contato com os fios de energia", finalizou Afonso.