Secretária de Educação deixa pasta por motivos pessoais

Rose Tonete alegou motivos pessoais para deixar o cargo na Prefeitura
Rose Tonete alegou motivos pessoais para deixar o cargo na Prefeitura - FOTO: Divulgação

A Prefeitura de Mogi das Cruzes informou no final da tarde de ontem que Rosemeire Tonete de Carvalho deixou o comando da Secretaria Municipal de Educação.

Em nota, a Administração informou que Rosemeire está deixando a função por motivos pessoais. "Rose agradeceu a oportunidade ao prefeito Caio Cunha e ressaltou que estará à disposição para cooperar com a educação mogiana", informou.

Rosemeire Tonete de Carvalho é pós-graduada em Psicopedagogia, Gestão de Escola de Educação Básica e mestra em Semiótica, Tecnologias de Informação e Educação. Com um histórico de mais de 26 anos na Secretaria Municipal de Educação, participou da criação das Diretrizes Curriculares para a Educação da Infância e integrou a Comissão Especial para a criação das Matrizes Curriculares para a Educação Básica de Língua Portuguesa e Arte;

Durante sua indicação ao cargo de secretária municipal, em 21 de dezembro de 2020, Rose apresentou entre os principais desafios o estreitamento de laços com os colaboradores da pasta, o retorno das aulas presenciais primando pela saúde de alunos e funcionários, bem como a criação dos protocolos de retorno para as atividades presenciais.

No início do ano, o comando da pasta de Educação, acompanhado da vice-prefeita de Mogi das Cruzes Priscila Yamagami (Pode), realizou uma entrevista coletiva para tratar dos possíveis protocolos a serem adotados para o retorno das atividades presenciais na rede pública municipal. As atividades ainda não levavam em consideração o aumento do número de casos de Covid-19 da segunda onda da pandemia na região. Atualmente, por decreto municipal, as atividades presenciais estão suspensas.

O comando da pasta, em caráter temporário, será delegado ao secretário-adjunto Caio Callegari, até que seja anunciado um novo nome para assumir a educação do município. Caio é mestre em Administração Pública e Governo pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e economista pela Universidade de São Paulo, sendo membro do Fórum Estadual de Educação de São Paulo.

BAIXAS

Esta é a segunda baixa do secretariado mogiano com menos de cem dias de governo. No final de janeiro, o secretário-adjunto de Esporte e Lazer, Reinaldo Barreiros, deixou o cargo após uma polêmica envolvendo declarações que ele teria feito durante as eleições de 2018 que foram consideradas antidemocráticas. Após apresentar explicações ao chefe do Executivo e afirmar publicamente que estava arrependido dos comentários, Barreiros pediu o afastamento do cargo, sendo substituído por Danilo Luque.

Outra polêmica envolvendo o secretarido do prefeito Caio Cunha foi por suposta improbidade administrativa envolvendo o secretário de Governo, Francisco Cardoso de Camargo Filho, o Cochi. Um pedido de cassação do mandato foi apresentado à Câmara, que arquivou a denúncia. Cochi chegou a comparecer à Câmara para se explicar a sua versão aos vereadores.