Associações comerciais pedem redução de impostos na região

Grupo de associações comerciais também pediu refinanciamento de dívidas
Grupo de associações comerciais também pediu refinanciamento de dívidas - FOTO: Mogi News/Arquivo

As associações comerciais que compõe a Região Administrativa 3 Alto Tietê da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp) se uniram para solicitar às prefeituras dos municípios a redução de tributos e o parcelamento das dívidas. A proposta foi apresentada durante reunião virtual realizada ontem. A criação de Conselhos Empresariais Femininos também entrou na pauta.

Os representantes da RA 3 defendem que a readequação de tributos, como a redução do Imposto Sobre Serviços (ISS), parcelamento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), além da criação de um programa de refinanciamento de dívidas são imprescindíveis para a sobrevivência do comércio, que enfrenta os impactos da fase vermelha do Plano São Paulo.

A presidente da Associação Comercial de Mogi das Cruzes (ACMC), Fádua Sleiman, ressalta que juntas as entidades tem mais força para reivindicar melhorias para o setor. "O comércio do Alto Tietê é muito forte e atuamos interligados. Precisamos unir forças em busca de apoio, somos um dos maiores empregadores da região. Vamos reforçar a necessidade da vacinação em massa, pois só assim poderemos retornar a trabalhar sem impedimentos", acrescentou.

No início do mês, a presidente se reuniu com o secretário de Desenvolvimento de Mogi, Gabriel Bastianelli, e fez reivindicações para redução de tributos, nesta semana, o prefeito Caio Cunha anunciou a prorrogação do pagamento do IPTU. As parcelas de abril, maio e junho foram remanejadas para outubro, novembro e dezembro.

De acordo com Fádua, a decisão da administração municipal é um primeiro passo para criar os mecanismos que propiciem a manutenção dos comércios e consequentemente dos empregos. "O setor enfrenta o pior momento desde o início da pandemia, estamos com dificuldade para manter a folha de pagamento. Sem estes reajustes fica muito difícil para sustentar os negócios", afirmou.

Sobre a implantação de Conselhos Empresariais Femininos, Fádua lembrou que a ACMC foi pioneira. "Nosso Consef tem 26 anos, as mulheres estão à frente de boa parte dos empreendimentos e necessitam de apoio, especialmente neste momento", destaca.

A presidente fez um apelo para que as pessoas continuem seguindo os protocolos sanitários, como uso de máscara, distanciamento social e higienização das mãos.