Câmara de Mogi quer tornar bibliotecas mais acessíveis

Projeto de lei de autoria do vereador Zé Luiz e teve o apoio dos demais colegas
Projeto de lei de autoria do vereador Zé Luiz e teve o apoio dos demais colegas - FOTO: Mariana Acioli

A Câmara de Mogi das Cruzes considerou objeto de deliberação para tramitar pelo legislativo, um projeto de Lei para que o município faça, no futuro, aquisições que aumentem a acessibilidade de pessoas com deficiência visual às bibliotecas públicas municipais.

O projeto de Lei 20/2021, de autoria do vereador José Luiz Furtado (PSDB), O Zé Luiz apresenta como justificativa o aumento do acesso de deficientes visuais a interagir com as obras dos acervos, para além dos exemplares oferecidos em audiolivros. "Pedimos a oportunidade que estas pessoas sejam inseridas, sendo que anteriormente apresentamos indicação pedindo a inclusão na nossa Escola de Empreendedorismo", explicou o vereador.

A iniciativa teve o apoio dos demais integrantes do poder Legislativo. O vereador Edson Santos (PSD) parabenizou o vereador pelo projeto, e pediu um maior empenho por parte do Executivo Municipal em viabilizar os trabalhos da Coordenadoria da Pessoa com Deficiência, que atualmente se encontra sob responsabilidade da Secretaria Municipal de Assistência Social.

O vereador Osvaldo Silva (REP) falou sobre a importância do estímulo à acessibilidade com o uso da Linguagem Brasileira de Sinais (Libras) em eventos públicos, celebrações religiosas e na transmissão das Sessões da Câmara de Vereadores. "A acessibilidade permite a integração", afirmou.

O vereador Marcos Furlan (DEM) ressaltou que o poder público deve trabalhar por mais políticas públicas para as pessoas com deficiência, e que a Coordenadoria municipal deve estar mais ativa para atender às demandas por integração.

Este foi um dos três projetos encaminhados às comissões da Casa de Leis nesta quarta-feira. A Frente Parlamentar de Defesa dos Direitos da Mulher encaminhou uma propositura pedindo a disponibilização gratuita de absorventes íntimos para mulheres nos Centros de Referência da Assistência Social (Cras), Unidades Básicas de Saúde (UBS) e escolas municipais, com o intuito de dar maior dignidade ao público feminino em situação de vulnerabilidade.

O outro projeto, protocolado pela vereadora Inês Paz (PSOL), pede a criação do Dia Marielle Franco de Enfrentamento à Violência, a ser celebrado no dia 14 de março - mesmo dia em que no ano de 2018 a vereadora da cidade do Rio de Janeiro, juntamente com o seu motorista Anderson Gomes, foram vítimas de um atentado fatal. Até o presente momento, as investigações ainda não apontaram os mandantes e a motivação para o assassinato político.

MOÇÃO

O vereador Marcos Furlan apresentou na sessão de ontem uma moção pedindo que as autoridades do governo do Estado reconheçam a prática de atividades físicas em estabelecimentos como uma das atividades essenciais no período da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Segundo o vereador, a prática de atividades físicas supervisionadas por profissionais podem auxiliar na qualidade de vida e reduzir o potencial para os casos.