Represas do Alto Tietê estão com níveis mais altos

Cinco barragens juntas chegou anteontem a 61,1%
Cinco barragens juntas chegou anteontem a 61,1% - FOTO: Arquivo/Mogi News

Os níveis das represas que compõem o Sistema Produtor do Alto Tietê (Spat) apresentaram um leve aumento no que diz respeito ao volume total de cada uma delas. O nível das cinco barragens juntas chegou, anteontem, a 61,1%, enquanto na terça-feira retrasada a quantidade total era de 60,7%. Desta vez, nenhuma represa apresentou queda percentual.

As elevações podem ser resultado das chuvas que atingiram as cidades do Alto Tietê no final de semana passado. Além disso, há duas semanas tem chovido frequentemente na região. As informações da Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp) apontaram na terça-feira retrasada que na represa de Paraitinga o volume estava em 45,56% da capacidade total. Sete dias depois, na tarde de anteontem, o número subiu para 48,67%.

Outra bacia que apresentou aumento do volume foi em Biritiba Mirim, que na terça-feira passada estava com 41,05% e passou para 41,25% anteontem. A barragem de Jundiaí também obteve um aumento.

Também há uma semana, o volume era de 31,58% da capacidade, passando para 31,59% na manhã de anteontem. Por fim, na represa de Taiaçupeba, o volume que na terça-feira retrasada era de 39,92% passou anteontem para 43,71%.

Spat

De acordo com ia Sabesp, há 60 anos a construção das represas que compõem o sistema (Ponte Nova, Jundiaí, Taiaçupeba, Paraitinga e Biritiba Mirim) tinha o objetivo inicial de conter as águas do rio Tietê e evitar inundações em São Paulo. No entanto, com o crescimento da zona leste da capital, elas passaram a ser vistas como possíveis mananciais de abastecimento.