G5 soma 128 óbitos em razão da Covid na 1ª quinzena de março

Em relação a janeiro e fevereiro, as mortes tiveram elevação de 42,2% e 19,6%
Em relação a janeiro e fevereiro, as mortes tiveram elevação de 42,2% e 19,6% - FOTO: Arquivo/Mogi News

O conjunto das cinco cidades mais populosas do Alto Tietê (G5) registrou 128 mortes decorrentes do coronavírus (Covid-19) na 1ª quinzena de março. O acumulado entre os dias 1° e 15 deste mês supera o registrado na 1ª quinzena do mês passado em 19,6% e em 42,2% a soma informada nos 15 primeiros dias de janeiro. Mogi das Cruzes e Suzano respondem pelo maior número de óbitos, apontou o Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat).

Confirmando a escalada de mortes registrada em todo o país, onde a média móvel de óbitos em razão da Covid-19 bate recordes diários, o Alto Tietê também contabiliza elevações e confirma a tendência de mais falecimentos registrados em comparação há semanas anteriores. Só nesta 1ª quinzena do mês, já dentro da fase vermelha do Plano São Paulo e enfrentando taxas de ocupação de leitos dos hospitais entre 90 e 100%, Mogi, Suzano, Itaquaquecetuba, Ferraz de Vasconcelos e Poá somaram 128 óbitos.

Na comparação com a 1ª quinzena de fevereiro as mortes cresceram 19,6%. Na ocasião, ente os dias 1° e 15 do mês passado, foram registradas 107 mortes. Quando comparado ao registrado nos 15 primeiros dias do ano o resultado é ainda pior e alcança um crescimento de 42,2%. Na 1ª quinzena de janeiro ocorreram 90 mortes, 38 a menos do que o registrado recentemente.

Os dados apontam que Mogi registrou o maior número de mortes. Dos 128 óbitos registrados nas últimas duas semanas na região, os hospitais mogianos comunicaram 51 de pacientes contaminados com a Covid-19. O total cresceu 24,3% em comparativo aos 41 falecimentos da 1ª quinzena de fevereiro e 8,5% aos 47 óbitos entre 1° e 15 de janeiro.

O acumulado de Mogi supera em duas vezes o total registrado por Suzano, que teve o segundo pior resultado, marcando 22 mortes e superando em 15,7% as 19 mortes dos primeiros 15 dias de fevereiro. O acumulado mais recente de Suzano é, no entanto, inferior ao registrado na 1° quinzena de janeiro quando 25 óbitos foram registradas.

Em seguida, Ferraz e Itaquá informaram 20 óbitos cada, no mesmo intervalo de tempo analisado pelo Grupo Mogi News. O salto foi mais acentuado em Ferraz que havia registrado dois óbitos na 1ª quinzena de fevereiro e dez mortes na primeira metade de janeiro. Já Itaquá, conseguiu uma diminuição significante, haviam sido 35 fatalidades na 1ª quinzena do mês passado, porém sete em fevereiro.

Poá teve o menor número de morte dentro do período analisado, marcando 15 mortes entre o dia 1° e 15 de março. Mas o acumulado foi o pior do ano, superando os dez casos da 1ª quinzena de fevereiro e um único caso no mesmo período em janeiro.

Casos

Nesta 1ª quinzena de março, o G5 registrou 2.697 casos confirmados da Covid-19. O resultado só ficou atrás dos primeiros 15 dias de fevereiro, quando 2.781 testes deram positivo. O acumulado recente, por outro lado, superou em 4,4% os 2.582 novos casos das duas primeiras semanas de janeiro.

 

Deixe uma resposta

Comentários