Suzano entra em grupo para compra de vacinas

Objetivo é aumentar a oferta de imunizantes para a população de Suzano
Objetivo é aumentar a oferta de imunizantes para a população de Suzano - FOTO: Irineu Junior/Secop Suzano

O município de Suzano aderiu ao Consórcio Nacional de Vacinas das Cidades Brasileiras (Conectar), ontem, após a deliberação da Câmara de Vereadores sobre o projeto de lei que autoriza o Executivo municipal a participar da iniciativa, que visa a aquisição de vacinas contra o novo coronavírus (Covid-19). Na próxima segunda-feira, a Frente Nacional de Prefeitos (FNP) deverá realizar uma assembleia de instalação do consórcio.

O projeto de lei apresentado ao Legislativo municipal pelo prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi (PL), foi aprovado por unanimidade na sessão de ontem. O documento ratifica o protocolo de intenções firmado entre municípios brasileiros com a finalidade de adquirir vacinas, medicamentos, equipamentos e outros insumos de suporte à Saúde no combate à pandemia.

Antes da aprovação, Ashiuchi se reuniu virtualmente com parlamentares municipais para discutir o projeto protocolado em regime de urgência. O encontro, que também contou com a presença dos secretários de Saúde, Pedro Ishi, e de Governo, Alex Santos, sanou dúvidas e esclareceu pontos importantes sobre a adesão ao consórcio.

"Ao participar da iniciativa, Suzano contribui pela ampliação da cobertura vacinal. Isso significa que, além do Plano Nacional de Imunização (PNI), será possível complementar o combate à Covid-19 com a aquisição de doses pelo consórcio. Nosso objetivo é fazer com que a vacina chegue ao maior número de pessoas. Atualmente existem diferentes tipos de imunizantes seguros sendo aplicados no mundo, mas dispomos apenas da CoronaVac e da Oxford/AstraZeneca, que aos poucos chegam às cidades. Precisamos acelerar a vacinação", afirmou Ashiuchi.

O prefeito, que também é presidente do Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat), tem apresentado solicitações junto aos municípios vizinhos para a compra de mais imunizantes, tendo encaminhado solicitações ao Instituto Butantan, para a CoronaVac; à Fiocruz, para a vacina Oxford/AstraZeneca; ao Grupo União Química, para aquisição da Sputnik V; e para a fabricante Johnson & Johnson no Brasil, para a vacina Janssen.