Taxa de letalidade a cada cem infectados tem leve redução

Mogi das Cruzes tem 20.311 casos para 834 óbitos
Mogi das Cruzes tem 20.311 casos para 834 óbitos - FOTO: Mogi News/Arquivo

A taxa de letalidade do coronavírus (Covid-19) em Mogi das Cruzes registrou queda de 0,2 pontos percentuais dentro de fases mais restritivas aplicadas em março e alcançou índice de 4,1% para cada cem infectados. Com 20.311 casos confirmados e 834 óbitos até ontem, conforme divulgação do Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat), a cidade começa a marcar reduções na letalidade após passar por três fases restritivas nas últimas semanas.

Com o decreto da fase vermelha do Plano São Paulo, aplicado logo no começo do mês, em 6 de março, seguido pela inédita fase emergencial que entrou em vigor no dia 15 e, por fim, a fase crítica da Prefeitura de Mogi, valendo desde segunda-feira passada, a cidade finalmente começou a colher reduções nas taxas de letalidade. Em 25 de fevereiro, quando Mogi ainda se encontrava na fase amarela, o índice era de 4,3%, agora é de 4,1%.

Na prática, a queda significa que, apesar da alta de novos casos e óbitos das últimas semanas, proporcionalmente morreram menos pessoas em relação ao número total de doentes. Ainda que a redução em Mogi seja positiva e possa até mesmo ser recebida como reflexo da eficácia das restrições aplicadas, a taxa registrada ainda é uma das piores do G5 - conjunto das cinco cidades mais populosas do Alto Tietê - ficando atrás apenas de Itaquaquecetuba.

A letalidade de 4,1% em Mogi ainda é crítica e chama atenção quando comparada ao índice registrado no Estado de São Paulo, atualmente de 2,9% calculada com base em 68.904 mortes e 2.352.438 casos divulgados pelo consórcio de veículos de imprensa. No Brasil, a taxa é ainda menor, cerca de 2,4%. Ao todo, mais de 301 mil pessoas perderam a vida e 12,2 milhões já se contaminaram desde o começo da pandemia.

G5

Entre as cinco cidades mais populosas do Alto Tietê, Itaquaquecetuba ficou com o pior índice de letalidade neste mês de março. No comparativo com fevereiro, a cidade teve alta de 0,4 pontos percentuais, saltando dos já altos 5,2% para 5,6% ontem. O índice que destoa dos municípios vizinhos também pode ser reflexo da subnotificação e baixa testagem. Com mais de 375 mil habitantes, Itaquá registra bem menos casos que Suzano que possui população menor. Ao todo, 8.929 itaquaquecetubenses foram contaminados e 502 morreram. 

Atrás de Mogi e com o terceiro pior índice do G5, Poá também registrou alta na letalidade e subiu 0,3 pontos percentuais. Até ontem a cidade informou um índice de 3,7%, no mesmo período do mês anterior era 3,4%. A taxa foi calculada sobre 5.372 casos confirmados da Covid-19 e 202 óbitos registrados nesta quinta-feira. Em seguida, Suzano aparece na lista com uma taxa de letalidade de 3,5% e não apresenta variação na comparação com o registrado no mês passado. Em números gerais, 12.764 pessoas foram infectadas e 454 morreram. 

Por fim, mas não distante das vizinhas, Ferraz de Vasconcelos marcou uma taxa de 3,4% e superou em 0,4 pontos percentuais o que havia sido registrado em fevereiro. Já são 7.542 contaminados e 259 mortos. Somadas, as cinco cidades apresentam índice médio de letalidade de 4,0% e não registra variação no comparativo ao mês anterior. Mais de 54 mil pessoas já testaram positivo e 2.251 faleceram em decorrência da pandemia no G5.

Atualização

Na tarde de ontem o Condemat confirmou a morte de 37 pessoas no Alto Tietê. Mogi registrou 13 falecimentos, enquanto Suzano confirmou 12 óbitos. Por sua vez, Ferraz revelou a morte de mais cinco moradores, enquanto Itaquá informou três, Santa Isabel, também três,e Arujá um falecimento.

Em Suzano, o presidente da Câmara, Leandro Alves de Faria (PL), o Leandrinho, publicou, ontem, um ato para declarar luto oficial no âmbito do Legislativo, em razão do número de mortes pelo novo coronavírus. Até terça-feira, o município contabilizava 437 mortes. A bandeira do município localizada em frente à Casa de Leis, está hasteada a meio mastro.

*Texto supervisionado pelo editor.

Deixe uma resposta

Comentários