Vacinação de outros grupos será junto com a dos idosos

Maior lote recebido na região desde o início da pandemia
Maior lote recebido na região desde o início da pandemia - FOTO: Tânia Rêgo/Agência Brasil

A vice-presidente do Conselho Municipal do Idoso de Mogi das Cruzes (Comid) Juraci Fernandes de Almeida comentou ontem a decisão do governo do Estado de expandir a campanha de vacinação contra o novo coronavírus (Covid-19) a partir da primeira semana de abril para profissionais das áreas de Educação e de Segurança Pública, em paralelo com a campanha de imunização de idosos.

Para Juraci, o governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Estado da Saúde, necessita primeiramente garantir os lotes para a vacinação dos mais de 530 mil profissionais dos dois setores em todo o Estado, no entanto ela acredita que é necessário que a Prefeitura de Mogi das Cruzes implemente melhorias na organização dos eventos.

A vice-presidente do Conselho Municipal do Idoso defendeu a campanha de vacinação prioritária, prevista para acontecer paralelamente ao Plano Nacional de Imunização. "O idoso não pode e, com base nas informações que temos, não vai ser preterido no programa de imunização. O governo estadual tem sua obrigação para com estas duas categorias, que são de profissionais essenciais para a nossa sociedade e para a retomada gradual das nossas atividades no futuro", explicou.

Para a campanha voltada aos professores e profissionais da Segurança Pública, Juraci sugeriu que a infraestrutura de vacinação usada em Mogi das Cruzes seja dedicada aos públicos, com o objetivo de evitar a mistura de públicos e mais problemas de ordem logística. "Não queremos que ocorra o mesmo que houve no início da campanha de vacinação, quando misturaram profissionais da saúde e idosos com mais de 90 anos nos mesmos espaços, o que gera mais aglomeração e mais dificuldades em organizar as filas", afirmou.

Para a vice-presidente do Comid, dentre as melhorias que devem ser feitas no momento são a maior agilidade no processo de cadastramento dos moradores da cidade que recebem a vacina, além de organizações nas filas tanto do drive-thru do Pró-Hiper na região central quanto nos bairros. "Levamos nossas demandas tanto para a Secretaria de Saúde quanto para a Câmara de Vereadores, e vimos alguns de nossos pontos serem atendidos. Acreditamos que o maior entrave para uma maior velocidade na vacinação é justamente a organização", informou.

Na Câmara de Mogi até os vereadores criticaram a organização da vacinação após relatos nas redes sociais de idosos que ficaram mais de cinco horas na fila.

Questionada pela reportagem, a Secretaria de Estado da Saúde confirmou que a campanha de vacinação contra a Covid-19 acontecerá em paralelo às ações voltadas para os idosos.

Até o final da tarde de ontem, a Secretaria de Saúde de Mogi das Cruzes informou por meio da página da Prefeitura na Internet que o município chegou a 42.215 doses aplicadas, sendo 31.646 a receber a primeira dose. Até o momento, foram registrados 20.313 casos positivos da doença, com 834 óbitos desde o início da pandemia, há um ano.