Movimento no Bom Prato cresce com a pandemia

Bom Prato tem servido 2,1 mil refeições a mais
Bom Prato tem servido 2,1 mil refeições a mais - FOTO: Emanuel Aquilera

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) na região do Alto Tietê não apenas atingiu a população e os sistemas de saúde, mas gerou efeitos colaterais na economia e na geração de emprego e renda desde o início do ano. Um dos indicadores é programa Restaurante Bom Prato, desenvolvido pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social em parceria com os municípios, que oferece diariamente refeições a R$1, além de repassar gratuitamente refeições a pessoas em situação de rua que foram cadastradas desde o início da pandemia, em março do ano passado.

Segundo informações da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social, são distribuídas cerca de 7,3 mil refeições diariamente no Alto Tietê, sendo 2,1 mil a mais do que eram servidas no ano passado. Só em Mogi das Cruzes, o número saltou de 1,9 mil pratos em 2020 para 2,2 mil neste ano.

O aumento na busca pelas refeições subvencionadas pelo Estado acabou por chamar a atenção de membros da Câmara Municipal. O vereador Iduigues Martins (PT) protocolou na última quarta-feira uma indicação à Prefeitura de Mogi pedindo cuidados adicionais na distribuição para evitar aglomerações no local. "Enfrentamos em escala nacional um problema social, que vem se agravando diariamente. Não são apenas pessoas vulneráveis socialmente, mas trabalhadores que também querem comer barato e com qualidade", explicou.

A Secretaria de Assistência Social de Mogi das Cruzes informou que o Bom Prato adota protocolos de distanciamento social.