Mogi propõe lockdown, mas ideia é rejeitada pela região

Hospital Municipal é referência para Covid em Mogi
Hospital Municipal é referência para Covid em Mogi - FOTO: Emanuel Aquilera

Diante do aumento de casos de coronavírus (Covid-19) e escassez de leitos para o tratamento da doença, a Prefeitura de Mogi das Cruzes, durante reunião realizada ontem com as demais administrações municipais signatárias do Consórcio de Desenvolvimentos dos Municípios dos Alto Tietê (Condemat) propôs a adoção de um lockdown regional, porém, segundo informação do próprio Condemat, "a proposta foi rejeitada pelos demais municípios de maneira unânime, que assim como já foi abordado, defendem que esta medida só seria válida se adotada em toda a Região Metropolitana, levando em consideração os moradores da região que trabalham na capital e demais municípios da Grande São Paulo e precisam se deslocar diariamente utilizando o sistema de transporte público estadual".

Por meio de nota, a Prefeitura informou que "a pauta foi colocada em debate na reunião do Condemat por se tratar de uma situação regional. Todos os leitos de UTI-Covid de Mogi das Cruzes estão ocupados há 19 dias e aproximadamente 50% dos pacientes são de outras cidades do Alto Tietê. Assim, o assunto foi debatido entre os integrantes do Condemat e a decisão do colegiado foi respeitada".

Antes da reunião, no final e semana, a Prefeitura fez um apelo à população para que colabore com as medidas de distanciamento social decretadas no município com a Fase Crítica de restrições à circulação de pessoas. O pedido, transmitido pelas redes sociais em frente ao Hospital Municipal Waldemar Costa Filho, chega após a confirmação da prorrogação da Fase Emergencial no Plano São Paulo por parte do governo estadual na última semana.

A administração municipal, por meio da Secretaria de Saúde, informou que ontem chegou ao seu 19º dia com ocupação completa de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em sua rede. Até o final da tarde de ontem, todos os 103 leitos de alta complexidade e os 162 de Enfermaria de responsabilidade do município estão ocupados, além dos leitos nos hospitais particulares, na Santa Casa de Misericórdia e no Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo.

Em levantamento da Prefeitura, nos últimos 15 dias, foram registrados 56 óbitos por Covid-19 no município, sendo a pior quinzena da pandemia, e na primeira semana de março foram 1,2 mil novos casos, o equivalente a um aumento de 20,3% em relação ao pico da pandemia em 2020.

Em uma transmissão nas redes sociais, o prefeito Caio Cunha (Pode) fez um apelo à população para seguir as medidas, uma vez que o sistema de saúde do município já entrou em colapso. "Estou aqui no Hospital Municipal de Braz Cubas, e a situação está crítica. Faltam leitos, medicamentos, muita coisa - não tem mais lugar para colocar ninguém. Passei pelas ruas e vi muita gente despreocupada, caminhando mesmo com o comércio fechado. Peço a todos vocês encarecidamente: não saiam de casa se não for necessário", concluiu.

A Câmara Técnica de Saúde do Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat), procurada pela reportagem, informou que não conta com novas informações sobre o processo de instalação de 60 leitos no Hospital Estadual Dr. Arnaldo Pezzuti Cavalcanti, sendo 30 de enfermaria e 30 de UTI.

Demais cidades

A situação da ocupação de leitos nas cidades mais populosas da região segue com a alta ocupação de leitos para pacientes de Covid-19. Em Suzano, a Secretaria de Saúde local informou que a taxa de ocupação de leitos de UTI está em 87%, mas a ocupação de leitos de Enfermaria segue acima da cota destinada para a doença, com 126%.

Em Itaquaquecetuba, a Prefeitura informou que os 35 leitos de Enfermaria e os 11 leitos de emergência seguem ocupados. A Pasta municipal da Saúde de Poá declarou que 15 dos 22 leitos de Enfermaria Covid-19 estão ocupados (taxa de 68%), mas que os dois leitos de emergência dedicados à doença seguem atendendo pacientes (taxa de 100%).

Mortes

A região registrou 69 mortes por Covid-19 nas últimas 72 horas, a maioria dos óbitos ocorreu na cidade de Mogi das Cruzes, que informou 32 falecimentos.