"Temos que parar a circulação do vírus", diz Caio Cunha

Prefeito Caio Cunha e secretário expuseram a situação para a população
Prefeito Caio Cunha e secretário expuseram a situação para a população - FOTO: PMMC/Divulgação

O prefeito de Mogi das Cruzes, Caio Cunha (Pode), realizou uma transmissão ao vivo ontem nas redes sociais para explicar a situação da Saúde do município e justificar o pedido que foi apresentado aos prefeitos do Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat) pelo lockdown em âmbito regional.

Acompanhado do secretário municipal de Saúde, Dr. Henrique Naufel, Caio Cunha expôs à população a atual situação da rede municipal e aproveitou a ocasião para pedir mais uma vez à população que colabore com as medidas de distanciamento social.

Durante a transmissão ao vivo, o chefe da pasta de Saúde apresentou a escalada de números de novas internações e óbitos, apontando o crescimento desde o início do ano e a ocupação completa de leitos tanto nos hospitais municipais quanto nos hospitais particulares, na Santa Casa de Misericórdia e no Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo. "Mesmo com as novas vagas que abrimos na UnicaFisio para o Hospital de Campanha, as vagas de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na Santa Casa e no Hospital Dr. Arnaldo Pezzuti, não houve redução na taxa de ocupação", alertou Naufel, que prometeu para a próxima semana mais leitos de UTI e enfermaria na Santa Casa de Misericórdia.

O secretário de Saúde alertou que a segunda onda da doença no município ainda não chegou ao seu topo, e que a situação ainda poderá se prolongar por mais alguns meses até que tenha passado. "Temos que parar a circulação do vírus, o número de pacientes e mortos apenas está aumentando", informou.

Segundo Caio Cunha, a proposta de lockdown foi rejeitada pelos demais prefeitos do Condemat, e a municipalidade não pode tomar decisões de maneira unilateral uma vez que a própria região possui bastante trânsito de pessoas e mercadorias entre si, não podemos agir como se fosse uma ilha. Por isso volto a insistir com a população: contribua com as medidas de isolamento, e só saia se for necessário", rogou o prefeito.

Um dos pontos também ressaltados na "live" foi a composição da ocupação de leitos na cidade, que mudou de 30% de pacientes de outras cidades no primeiro pico da pandemia para 42% no segundo pico. "Nos perguntaram por qual motivo não barramos a vinda de outros pacientes. Devemos esclarecer que os leitos são do Sistema Único de Saúde (SUS)", declarou o prefeito.

Questionado sobre os leitos e equipamentos do Hospital de Campanha montado no centro cívico em 2020, o chefe do Executivo mogiano informou que todos os equipamentos foram absorvidos pela rede municipal, sendo utilizados principalmente na unidade especial anexa ao Hospital Municipal Pref. Waldemar Costa Filho.

MATERNIDADE

Perguntado sobre o uso das instalações da Maternidade Municipal do distrito de Braz Cubas, o secretário Naufel informou que a construção e liberação do espaço só será concluída em 90 dias, e que até lá o cenário da pandemia poderá ser diferente.