Vereadores pedem mais empenho da GCM e da PM

Uma série de casos de violência registrados em Mogi das Cruzes na última semana levou os membros da Câmara de Vereadores a unir esforços para cobrar das autoridades estaduais e municipais um maior reforço no trabalho de patrulhamento da Polícia Militar e da Guarda Civil Municipal (GCM), durante a sessão de ontem.

O caso principal de violência foi o roubo e assassinato da aposentada Luíza Toshie Nishie, de 80 anos por dois menores de idade (leia mais ao lado). O crime, cometido na região do Cocuera em 31 de março, onde os infratores roubaram, agrediram e mataram a idosa por R$180 despertou a indignação dos membros do poder Legislativo.

Durante o espaço para destaques a indicações de vereadores no expediente de trabalho, o vereador Edson Santos (PSD) pediu a leitura da indicação 517/2021 ao poder Executivo para reforçar o patrulhamento rural na cidade pela GCM. Em apoio, o vereador Maurino José da Silva (Pode), o Policial Maurino propôs a criação de uma moção conjunta a ser encaminhada ao governo do Estado pedindo o aumento no patrulhamento ostensivo na cidade.

Durante as deliberações, também foi cogitado o convite ao comandante da Polícia Militar no Alto Tietê, José Raposo de Faria Neto, e ao delegado seccional, Jair Ortiz, para tratar da segurança pública. O presidente da Casa de Leis, vereador Otto Rezende (PSD), declarou seu apoio à iniciativa.

A Frente Parlamentar de Defesa dos Direitos da Mulher também apresentou uma indicação ao poder Executivo pedindo estudos para a disponibilização de vagas de hospedagem para mulheres vítimas de violência doméstica durante a pandemia de coronavítus (Covid-19). A indicação reitera que outras cidades na região metropolitana estão tomando ações semelhantes para garantir a integridade física das vítimas. "É de suma importância, principalmente nesta época onde os agressores estão próximos e as vítimas ficam sem condições financeiras de arcar com a saída de casa", diz o texto.

Auxílio

Um dos pontos da sessão de ontem foi a não-apresentação dos projetos de Lei do Executivo Municipal aprovados na sessão da última quarta-feira que tratam da criação dos programas Auxílio Emergencial Mogiano e Auxílio Empresarial Mogiano. Os projetos seguem sob análise tanto da Procuradoria Jurídica da Casa quanto das Comissões Internas Permanentes para avaliar sua constitucionalidade, bem como a possibilidade de incluir emendas que aumentem o valor proposto pelo prefeito Caio Cunha (Pode) e a duração da iniciativa. (A.D.)