Prefeituras rebatem critério de remessa de vacinas pelo Estado

Estado informou que 189 mil doses foram enviadas e 37 mil não foram aplicadas
Estado informou que 189 mil doses foram enviadas e 37 mil não foram aplicadas - FOTO: Emanuel Aquilera

As cidades do Alto Tietê que foram classificadas nas últimas posições no ranking de população vacinada contra o coronavírus (Covid-19) do governo do Estado estão reclamando do critério para envio de doses. De acordo com Itaquaquecetuba e Suzano, a baixa posição é reflexo direto do envio de vacinas pelo governo paulista, que decide quando e quantas doses serão encaminhadas.

O governo do Estado, por sua vez, argumentou que foram enviadas mais de 189,8 mil doses, e 152,8 foram aplicadas, o que sugere que ainda estariam disponíveis 37 mil doses na região.

Publicado ontem pelo grupo Mogi News, o ranking divulgado pelo portal "Vacina Já" da Secretaria de Estado de Saúde apontou que as cinco cidades mais populosas do Alto Tietê (G5) estão com posições que vão de medianas até as colocações mais distantes na campanha de imunização.

Itaquá, por exemplo, ficou em último lugar entre as 645 cidades paulistas. Não muito distante, ficaram Ferraz de Vasconcelos, na 631° posição, e Poá na 624°. Mogi das Cruzes e Suzano, alcançaram classificações medianas: 469° e 540°, respectivamente.

Atualizada pelo governo do Estado, a classificação leva em consideração a proporção de pessoas vacinadas com a 1ª dose. Mogi, a cidade com melhor posição entre as cinco, por exemplo, marcou uma imunização de 9,4%, Itaquá, a última do ranking, registrou uma vacinação de apenas 4,4%.

Estar entre as últimas acabou gerando descontentamento dos municípios com o governo do Estado. Itaquá, por exemplo, disse que outras cidades com o número populacional parecido receberam o dobro de vacinas. "Essa discrepância em número de vacinas recebidas versus número populacional fizeram com que o município ficasse em último lugar no ranking. A prefeitura vai solicitar ao Estado que faça uma reavaliação no parâmetro usado, que leva em conta a cobertura vacinal contra a gripe em 2020".

Suzano esclareceu que sua posição no ranking também se deve ao modo como o governo do Estado está coordenando a campanha. "Se outra cidade, por exemplo, tem uma população geral menor, porém conta com mais indivíduos de um determinado grupo prioritário, como idosos e profissionais de saúde, o envio de imunizantes para lá tende a ser maior", explicou.

Suzano também destacou que o prefeito Rodrigo Ashiuchi (PL), como presidente do Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat) tem apresentado solicitações para a compra de mais imunizantes.

Poá informou que os números apresentados pelo "Vacina Já" estão desatualizados. "Ontem, por exemplo, o município já aparecia em 613º do ranking, porém ainda com números desatualizados, pois lá consta que foram aplicadas 7.765 aplicações da 1ª dose no município, mas já foram realizadas 10.393 vacinas da 1ª dose", comentou a Prefeitura. A reportagem entrou em contato com Mogi e Ferraz, mas não obteve retorno até o fechamento desta edição.

O Estado alegou que a campanha tem como referência estatísticas populacionais, o número de pessoas imunizadas contra a gripe em 2020 e nunca seguiu o critério de população absoluta. Além disso, conforme atualização da plataforma, nem todas as vacinas encaminhadas para o Alto Tietê já foram aplicadas.

*Texto supervisionado pelo editor.