Quase metade das pessoas com Covid vem de outras cidades

Rede de atendimento à saúde de Mogi é maior do que as demais cidades da região
Rede de atendimento à saúde de Mogi é maior do que as demais cidades da região - FOTO: Fábio Miranda

Até o final do mês passado, aproximadamente 43% dos total de pacientes com sintomas do coronavírus (Covid-19) internados em Mogi das Cruzes eram de outras cidades. O índice superou em dez pontos percentuais o que havia sido registrado em fevereiro, indicando que Mogi é a cidade que mais sofre com a pandemia na região e justificando os recentes pedidos da Prefeitura por um lockdown em conjunto com as demais cidades da Alto Tietê. Os dados foram atualizados pela Secretaria Municipal de Saúde e são referentes a última semana de março.

Na fase crítica, desenvolvida pelo próprio Executivo municipal para mitigar a disseminação do vírus, há duas semanas, Mogi nunca chegou a descartar a possibilidade de um confinamento máximo, popularmente conhecido por lockdown. A Prefeitura chegou até mesmo pleitear junto ao Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat) um decreto em conjunto com todas as cidades da região, mas teve o pedido negado.

Com a maior infraestrutura de Saúde do Alto Tietê, ofertando 155 Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e 237 leitos de Enfermaria distribuídos em oito hospitais, Mogi atende a demanda de diversas cidades vizinhas. O atendimento pode ser um indício sobre o rejeitado pedido por lockdown conjunto. Em fevereiro, 33% dos leitos estavam ocupados por pacientes de outras cidades, um mês depois, essa taxa saltou para 43%, mesmo considerando a instalação de novos leitos.

Ainda que a Prefeitura não tenha conseguido emplacar uma restrição máxima regional, a administração municipal destacou a importância da fase crítica. "Entre 25 e 30 de março, o número de casos confirmados em Mogi subiu 0,58% (119 novos casos). Já em Itaquaquecetuba o aumento foi de 21,20%, equivalente a 1.893 novos casos. Suzano, o terceiro município mais populoso do Alto Tietê, apresentou alta de casos no mesmo período de 3,70% (473 casos confirmados", declarou o Executivo municipal.

Os dois municípios citados praticam a fase emergencial do governo do Estado, mais branda que a fase implementada por Mogi. Sobre a rejeição do confinamento extremo em conjunto, o Condemat esclareceu que a decisão de adoção de medidas restritivas, além das determinadas pelo Plano São Paulo, compete a cada município e descartou a possibilidade de Mogi estar sendo prejudicada pela recusa.

"Até por condições de localização, tamanho e perfil, algumas cidades do Condemat concentram maiores estruturas hospitalares, são referência regional e recebem recursos estaduais e federais que asseguram esse atendimento aos pacientes de vários municípios", completou em nota, em referência ao impacto dos municípios vizinhos na ocupação de leitos mogianos.

*Texto supervisionado pelo editor.