Prefeitura estuda reparo da Miguel Gemma junto ao DER

Falta de drenagem compromete o asfalto da avenida
Falta de drenagem compromete o asfalto da avenida - FOTO: Emanuel Aquilera

O prefeito de Mogi das Cruzes, Caio Cunha (Pode), oficializou o pedido de estudos para a recuperação da avenida Engenheiro Miguel Gemma em uma reunião com o Departamento de Estradas de Rodagem (DER), em fevereiro. Segundo Cunha, a Prefeitura continua sem recursos para custear o recapeamento.

Na gestão passada, em agosto de 2020, o Executivo mogiano estudava junto à Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos de Mogi das Cruzes (Aeamc) os passos para a recuperação da avenida. Além disso, estava estimado o valor inicial de R$ 26 milhões para os reparos.

Atualmente, além das reuniões com o DER, a Prefeitura já incluiu a proposta em vários pleitos de convênios, com os governos estadual e federal, e trabalha de forma contínua para buscar a liberação de verbas para o serviço.

"Paralelamente, a estrada recebe de forma periódica serviços de manutenção, executados pela Secretaria de Serviços Urbanos. Os trabalhos incluem reparos asfálticos, corte de mato, limpeza de guias e de passeios públicos", garantiu a Prefeitura.

Desde 2008, quando as obras de duplicação foram concluídas, a avenida Miguel Gemma tem sido um problema para os motoristas. Os buracos são numerosos e, mesmo após os pequenos reparos, continuam aparecendo com frequência na via.

Um dos principais problemas é a falta de drenagem, pois o sistema não foi implantado para a duplicação. As fissuras começaram a aparecer mesmo antes da finalização das obras, há anos. No entanto, a umidade não é o único problema, já que um trecho inteiro precisará ser substituído.