ACMC de Mogi apoia Fase de Transição

O anúncio da criação da Fase de Transição no Plano São Paulo trouxe certo alívio para a Associação Comercial de Mogi das Cruzes (ACMC). A entidade afirma que a medida será importante para as vendas do Dia das Mães, uma das principais datas para o varejo. No entanto, a associação lembra que outros setores ficaram de fora das medidas.

Com a nova reclassificação, as lojas de rua e shopping estão abertas ao público desde ontem, mas com horário restrito das 11 às 19 horas. A medida segue até a próxima sexta-feira. Já a partir do dia 24, será autorizada a retomada das atividades de restaurantes e salões de beleza,. As academias poderão operar das 7 às 11 horas e das 15 às 19 horas. Todos devem respeitar o limite de 25% de ocupação. Bares continuam proibidos de receber o público. As regras valem até o dia 30 de abril.

Para a presidente da ACMC, Fádua Sleiman, a decisão do Estad0 é um primeiro passo para a retomada econômica. "Ficamos satisfeitos com esse avanço. O governo do Estado atendeu um pedido feito pelo presidente da Facesp (Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo), Alfredo Cotait, que solicitou a reabertura dos estabelecimentos "não essenciais". Esperamos que o prefeito Caio Cunha (Pode)siga a determinação, pois precisamos nos preparar para o Dia das Mães", destacou.

Fádua destacou que outras áreas precisam de apoio neste período. "Precisamos de ações urgentes para os prestadores de serviço, as escolas de idiomas, as empresas que operam serviço de vans escolares e monitores de aula de dança, por exemplo", acrescentou.

Nesta semana, a ACMC enviou um ofício à Prefeitura para solicitar uma reunião para discutir a reabertura dos estabelecimentos considerados "não essenciais".