Coronavírus deixa mais de mil moradores mortos em Mogi

Em pouco mais de um ano da pandemia de coronavírus (Covid-19), o município de Mogi das Cruzes chegou a 1.002 vítimas fatais no final da tarde de ontem, segundo informação do Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat). Os homens correspondem a 56% do total de mortes pelo vírus.

Em todo o Alto Tietê, Mogi é a cidade com a maior quantidade de pessoas contaminadas e falecidas pela Covid-19, ontem foram confirmadas mais 18 mortes pelo vírus. Ao final de março deste ano, enquanto os demais municípios decretavam o retrocesso à Fase Emergencial, Mogi decretou uma etapa ainda mais restritiva, a Fase Crítica.

Nela, somente os comércios essenciais puderam continuar funcionando de forma presencial e nem mesmo o sistema drive-thru pôde ser mantido como um meio para as compras. A decisão do prefeito Caio Cunha (Pode) surgiu após dias em que os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e Enfermaria atingiram a capacidade máxima de ocupação.

Apesar disto, a situação apresentou o que Cunha considera como um "alívio" ao estado em que o município esteve até o início deste mês. A ocupação dos leitos de UTI e Enfermaria deixaram a marca dos 100% e passaram a diminuir.

Mas já que os números continuam preocupantes, Mogi entrou na Fase de Transição no último domingo mas se antecipará para uma nova análise. Enquanto as demais cidades seguem o Plano São Paulo, do Estado, até o dia 2 de maio, Mogi levará a Fase de Transição somente até a próxima sexta-feira.

No próximo final de semana haverá nova avaliação da situação da pandemia na cidade, quando a Administração Municipal decidirá por um avanço ou retrocesso das fases restritivas. "A opção por um protocolo mais rígido visa a uma redução mais acentuada dos casos de Covid-19 no município - embora haja redução da ocupação de leitos, a situação ainda é crítica", explicou a Prefeitura, ontem.

Exemplo de medida mais restritiva na cidade é o limite de uma pessoa para cada 10 metros quadrados e a entrada de apenas uma pessoa por família em supermercados, mercados e outros estabelecimentos. Na cidade, dos 22.004 diagnósticos positivos registrados desde o início da pandemia, 16.277 pessoas se curaram do vírus. Outras 4.725 ainda têm o vírus ativo no corpo, segundo os dados da noite de ontem.

Alto Tietê

Além de Mogi, registraram mortes as cidades de Suzano, com 13 óbitos, Ferraz de Vasconcelos e Santa Isabel com três cada, e Poá, Biritiba Mirim e Itaquaquecetuba com uma morte confirmada. No total, 40 falecimentos foram registrados no Alto Tietê nas últimas 72 horas. Desde março são 3.349 mortes e 78.615 casos positivos da Covid-19 em toda região.