MP-SP abre inquérito contra irregularidades na vacinação

MP recomendou o afastamento de Henrique Naufel, o que ocorreu em 12 de abril
MP recomendou o afastamento de Henrique Naufel, o que ocorreu em 12 de abril - FOTO: Ney Sarmento/PMMC

O Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) confirmou ontem que foi requisitada a abertura de um inquérito policial para apurar supostas irregularidades no processo de vacinação na cidade de Mogi das Cruzes, bem como a responsabilidade das pessoas envolvidas.

Segundo o MP-SP, a apuração será direcionada aos servidores da Secretaria Municipal de Saúde de Mogi das Cruzes, que supostamente teriam recebido de maneira indevida a vacinação contra a Covid-19. "Todos os servidores da Secretaria da Saúde, inclusive estagiários de outras áreas que não a da Saúde, foram vacinados indevidamente, pois exerciam funções administrativas e burocráticas", informou a Assessoria de Imprensa.

O processo de vacinação em Mogi das Cruzes foi o primeiro na região do Alto Tietê, com a chegada dos primeiros lotes no dia 20 de janeiro. Durante a primeira etapa, as vacinas foram direcionadas aos trabalhadores da Saúde que atuavam diretamente no enfrentamento à pandemia, como médicos, enfermeiros, auxiliares e técnicos nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e enfermarias.

Segundo o Ministério Público, as investigações prosseguem pela promotoria de Justiça do Patrimônio Público, que irá apurar os atos de improbidade administrativa.

A Prefeitura de Mogi das Cruzes, questionada sobre o caso, informou que coloca-se plenamente à disposição da promotoria do MP-SP para todo e qualquer esclarecimento.

A reportagem tentou entrar em contato com o representante legal do ex-secretário de Saúde de Mogi das Cruzes, Henrique Naufel, mas não obteve resposta até o fechamento da matéria. O Grupo Mogi News/DAT segue à disposição de Naufel e de sua assessoria para todo e qualquer esclarecimento sobre o assunto.

No mesmo dia, a Câmara de Vereadores de Mogi das Cruzes aprovou em discussão única o projeto de Lei de autoria do vereador Maurino José da Silva (Pode), o Policial Maurino, que institui multas administrativas para pessoas dentro ou fora do serviço público que tenham fraudado as filas prioritárias de vacinação no município (leia mais na página 4).

Entenda o caso

O Ministério Público de Mogi das Cruzes, no dia 8 de março, enviou ao Poder Executivo Municipal recomendando a exoneração do então secretário de Saúde do município, o médico Henrique Naufel, por apontamentos que levavam a suposta irregularidade na aplicação de vacinas. O pedido tinha um prazo de até 30 dias para manifestação da municipalidade.

Na época, a assessoria jurídica do ex-secretário Naufel apresentou a defesa envolvendo a vacinação do chefe da Pasta, cujas atribuições colocavam-no em contato direto com as unidades hospitalares da linha de frente.

No entanto, no dia 12 de abril, a Prefeitura de Mogi das Cruzes emitiu uma nota oficial confirmando o desligamento de Henrique Naufel, seguindo as determinações do MP-SP.

Deixe uma resposta

Comentários