Câmara e Prefeitura debatem retomada das atividades

A Câmara de Vereadores de Mogi das Cruzes realizou, na manhã de ontem, uma reunião conjunta entre membros dos poderes Executivo e Legislativo com representantes da sociedade civil ligados à indústria e ao comércio locais. O encontro teve como meta debater o trabalho de retomada econômica e flexibilização da lei Mogi Mais Viva.

Participaram do encontro o vice-presidente da Associação Comercial de Mogi das Cruzes (ACMC) Mohamad Issa, o presidente da Comissão Permanente de Indústria e Comércio da Câmara, vereador Clodoaldo Moraes (PL), o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Mogi das Cruzes e Região (Sincomércio) Valterli Martinez, o presidente do Sindicato Rural Gildo Takeo Saito, o secretário municipal Gabriel Bastianelli (Desenvolvimento Econômico), além do presidente da Casa de Leis, vereador Otto Rezende (PSD) e demais membros do Legislativo.

Durante os trabalhos, os representantes das entidades levaram às autoridades suas necessidades e sugestões para proporcionar a retomada econômica dentro do contexto da pandemia de coronavírus (Covid-19). Issa apresentou o pedido de criação de um auxílio para profissionais da área cultural e a desburocratização do poder público, bem como a questão da taxa de licenciamento dos comércios.

O presidente da Comissão de Indústria e Comércio da Câmara de Vereadores pediu ao Executivo municipal uma atualização da Lei Mogi Mais Viva, em vigor desde 2010 e que trata da ordenação do espaço urbano e regras para publicidade. Saito, do Sindicato Rural, reforçou a necessidade de melhora na comunicação pela internet com a zona rural da cidade.

Segundo o secretário Bastianelli, a reunião foi positiva e reiterou que estão sendo desenvolvidas ações para o apoio ao comércio e aos setores produtivos da cidade, como o Plano de Cooperação Empreendedores Mogianos e o Auxílio Empreendedor Mogiano, que iniciou ontem sua etapa de cadastro. "A Prefeitura está em processo de elaboração de um novo decreto para a renovação e flexibilização da Lei Mogi Mais Viva, durante o período de restrições sociais relativas à pandemia", explicou a Pasta, que se colocou à disposição da sociedade para o diálogo em torno de medidas que tragam o desenvolvimento econômico da cidade.