Indústria do Alto Tietê calcula retomada para este 2º trimestre

Caseiro: Falta de matéria-prima e capital dificultam a retomada da Indústria
Caseiro: Falta de matéria-prima e capital dificultam a retomada da Indústria - FOTO: Mogi News/Arquivo

A direção do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) para o Alto Tietê informou que o setor industrial na região vem seguindo em viés de estabilidade, a despeito do período de crise dos últimos anos que teve o agravamento com a pandemia de coronavírus (Covid-19), mas que espera uma tendência de retomada no segundo trimestre deste ano.

As informações acompanham as recentes declarações da Prefeitura de Mogi das Cruzes, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, que tratou dos esforços da administração pública em atrair novas empresas dos setores industrial e comercial para a cidade. Segundo a Prefeitura, oito empresas de setores diversos mantém interesse em abrir novas unidades e vagas de trabalho na cidade ao longo do ano.

Segundo dados do Ciesp, o Alto Tietê conta com 2.032 indústrias de transformação, sendo 583 delas em Mogi das Cruzes, que empregam hoje 69 mil trabalhadores. A região é apontada como um dos parques fabris mais significativos do Estado. "O destaque é a diversidade de setores, com atuação em vários segmentos, o que tem possibilitado, nos períodos de crise, um melhor equilíbrio nos resultados do setor", informou a direção do Centro.

Segundo o diretor José Francisco Caseiro, o período de pandemia foi marcado pelas incertezas nos cenários econômico e sanitário, o que acabou afastando planos de empresas para instalações futuras em vários pontos do país. "A manutenção do parque industrial atual tem sido um grande desafio neste momento de dificuldades econômicas", explicou.

Para o diretor do Ciesp no Alto Tietê do último trimestre de 2020 para cá, no entanto, alguns segmentos estão em evolução, como os setores alimentício, de higiene pessoal e materiais descartáveis, puxados pelas novas demandas da pandemia. No entanto, a falta de matérias-primas e de capital para as empresas continua sendo um dos entraves para a retomada plena.

O Ciesp Alto Tietê acredita que, a partir do segundo trimestre deste ano, a retomada das atividades econômicas pode ter início no país e no Alto Tietê. Porém, o controle da pandemia e ações de longo alcance, com um plano mais consistente de crescimento econômico e de avanços na reforma tributária são fatores que podem contribuir para a consolidação.