Itaquaquecetuba registra 40 mortes por Covid em 72 horas

Em 72 horas, Itaquaquecetuba registrou 40 mortes por coronavírus (Covid-19), informou na tarde de ontem o Consórcio de Desencolvimento dos Municipios do Alto Tietê (Condemat). Com essa atualização, a cidade chega a 649 falecimentos em razão da doença. O número é um dos mais elevados registrados em uma cidade da região em um único dia, o que fez Itaquá ultrapassar Suzano em número de mortos. Em toda a região são 3.490 falecimentos desde março do ano passado.

Além de Itaquá, foram registradas mortes em Arujá (1), Ferraz de Vasconcelos (2), Guararema (1), Mogi das Cruzes (6), Poá (2), Salesópolis (1) e Suzano (6)

Se o número de mortes está alto, o de ocupação em leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) segue a mesma tendência.

Com quase uma semana registrando ocupação de 100% nos leitos de internação do Hospital Santa Marcelina, Itaquá ainda vive o pior momento da pandemia. Só ontem, 40 pessoas foram incluídas na lista de óbitos pelo coronavírus (Covid-19). O Hospital Santa Marcelina é a única unidade regional que apresenta ocupação de 100% em leitos de Terapia Intensiva (UTI) e Enfermaria no Alto Tietê.Em meio ao caos, o recém inaugurado hospital de campanha com 30 leitos disponíveis ainda não registrou pacientes internados.

Na linha de frente do combate ao vírus, o Santa Marcelina atravessou o primeiro ano da pandemia com apenas dez leitos de UTI, foi na semana passada que o hospital dobrou suas unidades, totalizando 20. Além disso, 28 leitos de Enfermaria funcionam no local, todos ocupados. O reforço, no entanto, não foi suficiente para aplacar a demanda. Em parceria com o governo do Estado, a Prefeitura de Itaquá também inaugurou na semana passada um hospital de campanha em seu Ginásio Municipal. Mas, mesmo que os recentes índices apontem para o caos, a nova unidade de Saúde ainda não registrou nenhum internado em seu quinto dia de operação.

"Os pacientes serão regulados conforme o fluxo dos equipamentos de saúde, mas, até o momento, não houve necessidade pois não entraram em uma situação grave a ponto de necessitar do ingresso no hospital de campanha", disse a Prefeitura sobre a ausência de internações. Dos 60 leitos garantidos, no momento, estão em funcionamento metade. Ainda que desocupados, a promessa é de que o hospital provisório atenda todo o Alto Tietê durante três meses.

*Texto supervisionado pelo editor.