CEV de Mogi apresenta primeiros resultados

A Comissão Especial de Vereadores (CEV), responsável por acompanhar os trabalhos pela retomada econômica em Mogi das Cruzes divulgou ontem os primeiros resultados de seu trabalho. Após atuar nos setores de feiras livres, bares e restaurantes, o grupo pretende intermediar o setor do ensino particular do município

O grupo suprapartidário vem atuando desde o dia 14 de abril, e está em seu segundo ano de funcionamento, tendo sido formado também em abril de 2020. A comissão foi aprovada na Câmara no final de março em um projeto de autoria do líder do governo na Câmara, vereador Marcos Furlan (DEM), com o intuito de formar uma ligação entre a Prefeitura, a Câmara de Vereadores e a sociedade civil na elaboração de ações e estratégias dedicadas à recuperação da economia da cidade que foi afetada com a crise da pandemia de coronavírus (Covid-19).

O grupo conta, além do vereador Furlan, com os parlamentares José Francimário Vieira de Macedo (PL), o Farofa e Eduardo Ota (Pode). O grupo trabalha também em conjunto com a Comissão Permanente de Indústria e Comércio da Câmara Municipal, presidida pelo vereador Clodoaldo de Moraes (PL).

Dentre os trabalhos já desempenhados, segundo o gabinete do vereador Furlan, estão a busca pela implantação de medidas de flexibilização para estabelecimentos comerciais no período da pandemia, com o objetivo de retomar a atividade econômica, entre eles o funcionamento das feiras livres. "Levamos à Prefeitura a reivindicação do Sindicato Rural de não fechar as feiras livres durante o período de maior restrição da pandemia. Tivemos este pedido acatado, para alívio dos feirantes e dos consumidores. É indiscutível a importância das feiras, que oferecem à população alimentos frescos, saudáveis e com valores bem mais em conta que as grandes redes de supermercados", explicou.

Outro ponto foi a determinação de horários para atividades na Fase de Transição do Plano São Paulo de retomada. A medida cumpriu a quantidade de horas estabelecidas pelo governo estadual, respeitando limitações de capacidade, mas com prolongamento do horário. "Para alguns setores, como bares, restaurantes e academias, seria primordial funcionar até 22 horas, e a Prefeitura de Mogi entendeu isso", celebrou Furlan.

Para o futuro, a comissão pretende colocar em pauta a retomada das atividades das escolas particulares do, em conversas com a Brigada da Educação e os donos dos estabelecimentos de ensino. "Estamos promovendo o diálogo", concluiu o vereador.