Abril registra 154 mortes por Covid-19 em Mogi das Cruzes

Em abril passado foram 2.960 casos confirmados ante os 142 de abril de 2020
Em abril passado foram 2.960 casos confirmados ante os 142 de abril de 2020 - FOTO: Mogi News/Arquivo

O número de óbitos causados pelo coronavírus (Covid-19) em Mogi das Cruzes cresceu 670% em abril deste ano, em comparação com o mesmo período de 2020. No ano passado, com 20 óbitos registrados em abril, o governo do Estado decretou quarentena e fechou os comércios. Agora, com um acumulado de 154 mortes no mês, a região segue avançando nas flexibilizações do Plano São Paulo.

Os dados foram contabilizados com base na atualização diária fornecida pelo Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat).

Quando a ameaça da pandemia ainda era recente na cidade, o temor da população, acrescido de maior observância das medidas de segurança, poupou um grande número de vidas. No final de abril de 2020, Mogi registrava 239 casos confirmados e 20 óbitos de pacientes com Covid-19.

Na ocasião, a taxa de isolamento da população alcançava patamares que nunca mais voltaram a se repetir, superando a índice de 60% por vários dias, conforme aponta o Sistema de Monitoramento Inteligente do Governo de São Paulo (Simi).

Um ano depois, completamente anestesiados pelo alto número de mortes diárias, o relaxamento é geral. Entre 1° e 30 de abril deste ano, Mogi acumulou 1.030 casos confirmados e 154 óbitos. Os altos números foram naturalizados e nem metade da população praticou o isolamento social no último mês.

O comportamento despreocupado da população pode estar sendo alavancado pelo sinal laranja do governo do Estado, que flexibiliza a região com base nas recentes desocupações dos leitos de internação. Passando por uma transição para a fase laranja do Plano São Paulo, o comércio foi reaberto e muitos serviços não essenciais como cinemas já recebem público. Um ano atrás, com números bem menores, tais permissões eram inimagináveis.

Dentro do conjunto das cinco cidades mais populosas do Alto Tietê (G5), a situação da vizinhança de Mogi também é grave. No grupo, Suzano fechou o mês de abril com o pior resultado. Os óbitos por Covid-19 cresceram mais de 1.000% no comparativo com o mesmo período do ano passado. De 142 casos confirmados e 15 mortes registradas em abril de 2020 para 2.960 novas infecções e 166 falecimentos no último mês.

Também com números altos, Itaquaquecetuba registrou um aumento de 731% nas mortes. Dentro de 30 dias, a cidade registrou 165 casos confirmados e 16 óbitos, no mesmo período de tempo, porém um ano depois, o acumulado é de 1.580 novas contaminações e 133 mortes.

Em Ferraz de Vasconcelos o salto foi de 660%. A cidade somou 110 novos casos e dez mortes em abril do ano passado contra 1.029 casos confirmado e 76 óbitos no mês passado. Por sua vez, Poá informou um aumento de 685%. A cidade que chegou a registrar 59 casos e sete óbitos em um mês, hoje encara 1.247 novas infecções e 55 óbitos com muito mais conformismo.

*Texto supervisionado pelo editor.