Itaquá entra com recurso para adicional universitário

Proibição foi ajuizada pelo Ministério Público
Proibição foi ajuizada pelo Ministério Público - FOTO: Mogi News/Arquivo

A Prefeitura de Itaquaquecetuba entrou na tarde de anteontem com recurso junto ao Tribunal de Justiça (TJ) do Estado de São Paulo, a fim de revogar a liminar concedida para o não pagamento do adicional de nível universitário dos servidores públicos municipais.

A liminar concedida a requerimento do Ministério Público do Estado de São Paulo proíbe que a Prefeitura faça o depósito do valor do referido adicional já na folha de pagamento de maio.

Esse primeiro recurso foi efetuado pelo corpo jurídico de Itaquá na tentativa de revogar a referida liminar. A justificativa do recurso incide na importância de muitos servidores terem a oportunidade de cursar uma graduação, especializando seu trabalho, além do conhecimento aplicado em seu dia a dia.

Para o prefeito Eduardo Boigues (PP) é muito importante que todo cidadão tenha a oportunidade de estudar, ou seja, se existe esta possibilidade, é de suma importância que os servidores públicos municipais continuem a receber o benefício. "O estudo é fonte de conhecimento, todo mundo deveria ter esta oportunidade, infelizmente, o curso universitário não é acessível para todos, mas se é um benefício para nossos servidores, que será utilizado para o bem da nossa cidade, do nosso povo, então é justo que eles possam continuar a receber o adicional do NU", justificou Boigues.

Diante da realidade conhecida e necessidade, além da importância deste benefício, a Prefeitura de Itaquaquecetuba aguarda o julgamento do Tribunal de Justiça, para que de fato, os servidores públicos municipais não sejam prejudicados.