Condemat não descarta aquisição de vacina russa

Proposta do Condemat é a compra de 300 mil doses
Proposta do Condemat é a compra de 300 mil doses - FOTO: Divulgação

Mesmo com a rejeição da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat) não descarta a possibilidade de aquisição da vacina Sputnik V. Recusado pelo órgão regulador por falta de dados confiáveis, o imunizante russo contra o coronavírus (Covid-19) está dentro do termo de intenções de aquisição de doses para o Alto Tietê.

"Respeitamos a decisão da Anvisa. No entanto, o protocolo de intenções para aquisição do imunizante Sputnik V segue ativo, caso haja reformulação do imunizante e a aprovação da Anvisa, bem como a viabilidade da vacina", disse o Condemat em nota, acrescentando que os demais termos de intenções para aquisição de imunizantes seguem ativos e aguardam disponibilidade de vacinas.

Na carta de intenção de compra, assinada pelos municípios do Alto Tietê em fevereiro deste ano, a região almeja adquirir, pelo menos, 300 mil doses, o que corresponde a 5% da população da região. Além da Sputnik V do Instituto Gamaleya, estão incluídas diversas outras vacinas como CoronaVac (Instituto Butantan), Oxford/AstraZeneca (Fundação Oswaldo Cruz) e Janssen (Johnson & Johnson).

Na época da assinatura do termo, o Condemat considerava utilizar as doses como reserva técnica, priorizando trabalhadores da Educação, da Segurança Pública e da Assistência Social, grupos que só recentemente começaram a ser incluídos na lista de prioridades da campanha de imunização do Estado.

*Texto supervisionado pelo editor.