De novo, na pandemia

Esta celebração de Dia das Mães será a segunda seguida que ocorre no decorrer da pandemia de coronavírus (Covid-19), mas, diferente da do ano passado, desta vez as lojas poderão receber clientes para poder comprar o presente para a mamãe ou levar a rainha do lar para almoçar fora, isso é, observando as medidas de restrições, como higienização e limite de pessoas dentro de um mesmo estabelecimento. De qualquer maneira, não é incorreto dizer que, no Alto Tietê, o comércio deve sorrir um pouco mais neste ano do que na celebração ocorrida em 2020.

Outro fator que ajuda a melhorar este domingo é que boa parte das mães, e pais também, já receberam a primeira dose, ou o ciclo completo, da vacina contra a Covid, logo, muitos filhos e filhas poderão fazer a visita hoje. Enfim, esta data promete ser melhor do que o ano passado.

Mas há algumas ponderações que devem ser feitas. Muitas mães acabaram sucumbindo à doença. No ano passado, o número de mortes nesta mesma época ainda era muito baixo, não que não assustasse a população, tanto que comércio e serviços estavam praticamente fechados em razão da pandemia e muitos moradores do Alto Tietê respeitavam mais o isolamento social.

Passado um ano, esse distanciamento praticamente não existe mais e a maioria dos estabelecimentos está aberta.

Muitos filhos e filhas não terão o direito de passar o dia ao lado das mães porque elas não resistiram aos avanços da doença, e isso deve ser levado em conta. Por causa da falta de políticas públicas mais robustas e ousadas, como a aquisição de vacinas contra a Covid-19, mesmo antes da aprovação pelos órgãos reguladores, estratégia adotada por países mais bem governados do que o nosso, o Dia das Mães não existirá, ficará apenas na lembrança.

O que é preciso ficar claro é que a pandemia não acabou e está longe de estar controlada. A vacinação no ritmo atual é lenta e por vezes tem que ser suspensa por falta de insumos para a fabricação da imunização, portanto, por mais que o Dia das Mães deste ano seja melhor do que o do ano passado, os cuidados e proteção não devem ser ignorados.