Mortes em razão da Covid-19 atinge 4% dos 28 mil doentes

Número ainda aponta que 2.784 pessoas estão com o vírus ativo no organismo
Número ainda aponta que 2.784 pessoas estão com o vírus ativo no organismo - FOTO: Mogi News/Arquivo

Cerca de 4% dos mais de 28 mil infectados com coronavírus (Covid-19) em Mogi das Cruzes faleceram. Em números gerais, foram 1.140 vidas perdidas desde o começo da pandemia, em março de 2020. É o acumulado mais elevado do Alto Tietê. Até anteontem, conforme atualização do Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat), os recuperados eram 66,6% do total. Dentro do G5 - conjunto das cinco cidades mais populosas do Alto Tietê - Mogi fica atrás de Itaquaquecetuba e Suzano em número proporcional de recuperados.

A mais recente atualização da pandemia em Mogi aponta 28.083 moradores contaminados com a Covid-19. Desse total, 18.726 conseguiu se recuperar da infecção, o que sugere que a cidade conta ainda com 8.217 pessoas com o vírus ativo e com potencial de contaminação. Comparada proporcionalmente com cidades vizinhas, Mogi obteve um percentual mediano, tanto para óbitos quanto recuperação. Os dados revelam que, apesar de responder pela maioria dos óbitos do Alto Tietê, Mogi ficou atrás de cidades menores como Itaquá, e Poá em falecimentos.

Em disparada e com larga diferença, a cidade do G5 com o pior percentual de óbitos foi Itaquá. Dos seus mais de 12,8 mil casos confirmados, 741 (5,7%) moradores morreram. Quando considerados recuperados, o percentual é mais positivo e aponta 10.125 (78,7%) itaquaquecetubenses restabelecidos. Distante da vizinha, porém com o segundo pior índice da região, Poá registrou 291 óbitos, cerca de 4,1% dos 7.005 contaminados. O número de recuperados na cidade é o mais baixo do G5, apenas 2.727 moradores (38,9%) constam como recuperados na atualização do Condemat.

Com taxas menos graves, considerando as cidades já citadas, Suzano comunicou 17.736 infectados desde o começo da pandemia e 708 óbitos (3,9%). Desse acumulado, a cidade ostenta o melhor índice de recuperação do G5, 80,2%, em números gerais são 14.241 restabelecimentos. O menor número proporcional de óbitos pela Covid-19 foi apresentado por Ferraz de Vasconcelos que, dos 9.496 casos confirmados, registrou 362 falecimentos (3,7%). Na recuperação, a taxa foi média, 52.6%, pouco mais de 5,1 mil reabilitados, revelando um alto potencial de moradores com o vírus ativo.

*Texto supervisionado pelo editor.