Deputados engrossam lista de insatisfeitos

Deputados da região e prefeituras das cidades diretamente afetadas voltaram a se posicionar contra a instalação de pedágios em Mogi das Cruzes. As autoridades do Alto Tietê se articulam para tentar impedir o plano da Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp).

Representando a rejeição da população ao pedágio na esfera federal, o ex-prefeito de Mogi e deputado, Marco Bertaiolli (PSD), informou que pleiteia uma reunião com o vice-governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (DEM), para evitar a cobrança na cidade. "Quando a Artesp fez esse famigerado projeto de colocar um pedágio entre Arujá e Mogi para financiar uma obra de duplicação da rodovia Rio-Santos (BR-101), me posicionei contra", lembrou o parlamentar.

A revolta do deputado com a cobrança dos moradores do Alto Tietê é compartilhada por outros políticos. O deputado estadual Estevam Galvão (DEM) reiterou seu posicionamento contrário a qualquer possibilidade de instalação de um pedágio no município por entender que a cobrança não tem justificativa para a região.

"Não vamos permitir. Não há previsão de investimento viário que justifique este ônus para a região. Nossas estradas foram construídas e consolidadas há mais de 15 anos. A única rodovia desta região que necessita de investimentos é a Mogi-Bertioga", pontuou.

O deputado estadual Marcos Damasio (PL) destacou os pontos negativos do projeto para região. "Esta proposta impacta negativamente a nossa região em vários aspectos: vai encarecer o escoamento dos produtos; vai dividir a cidade obrigando os moradores a pagar para circular dentro do próprio município; vai desestimular a vinda de novos negócios para a região", declarou.

Por sua vez, a Prefeitura de Arujá comunicou que aderiu ao movimento contra o pedágio que, se concretizado, deverá prejudicar os arujaenses que precisam se deslocar para Mogi e demais municípios para estudar e fazer tratamentos de saúde, dentre outras atividades.

*Texto supervisionado pelo editor.

Deixe uma resposta

Comentários