Vítimas fatais no trânsito de Mogi aumentam 53,8% no ano

Em Mogi foram 20 casos fatais registrados em 2020; ano passado foram 13
Em Mogi foram 20 casos fatais registrados em 2020; ano passado foram 13 - FOTO: Mogi News/Arquivo

Mogi das Cruzes registrou 20 mortes no trânsito no primeiro quadrimestre deste ano. Na comparação interanual, a incidência de fatalidades nas pistas mogianas cresceu 53,8%. De acordo com os dados divulgados pelo Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo (Infosiga), Mogi registra o pior saldo de óbitos no G5 - conjuntos das cinco cidades mais populosas do Alto Tietê.

O primeiro quadrimestre inteiramente dentro da pandemia do coronavírus (Covid-19) conseguiu superar o resultado do mesmo período do ano passado, quando o vírus ainda não havia afetado a circulação de pessoas e veículos durante, pelo menos, metade dos primeiros quatro meses de 2020. Foram 20 óbitos até abril desse ano contra 13 nos quatro primeiros meses do ano passado.

Só em abril passado, Mogi registrou quatro mortes. Em março foram três, em fevereiro nove e em janeiro quatro novamente. Já no ano passado, em abril a cidade marcou cinco vítimas fatais, em março não houve registros, em fevereiro contou três e em janeiro cinco. Seja por comportar mais rodovias e, consequentemente, receber uma maior fluxo de veículos na região, Mogi é responsável pelos maiores índices de violência no trânsito no G5.

Em seguida, Itaquaquecetuba figura na lista do Infosiga com o segundo pior acumulado da região. Neste quadrimestre foram 13 óbitos nas pistas, repetindo o saldo do 1° quadrimestre de 2020. Só no mês passado a cidade contabilizou quatro falecimentos decorrentes de acidentes de trânsito.

Suzano ocupa a terceira posição de cidade mais violenta no trânsito do G5. Com quatro mortes no acumulado deste ano contra 12 casos no ano passado, Suzano ostenta uma redução considerável de 66% na indecência de fatalidades no trânsito. No mês passado a cidade não registrou nenhum óbito.

Neste ano, Ferraz de Vasconcelos está acompanhando Suzano no número de mortes. O balanço do 1° quadrimestre também aponta quatro casos, uma elevação se considerado o acumulado de dois casos do mesmo período de 2020. Nenhum caso foi informado em abril. Por fim, Poá sempre com os menores números da região, manteve estabilidade e repetiu um único óbito nas pistas nestes primeiros quatros meses.

Somando o total apresentado pelas cinco cidades, o Infosiga revela que morreram 42 pessoas nas estradas do G5 neste ano. Em 2020 o total foi de 41 mortes dentro do mesmo período analisado.

*Texto supervisionado pelo editor.