Carreata deve reunir mais de 700 carros hoje na Mogi-Dutra

Em fevereiro do ano passado, manifestação teve a presença de mais de 300 carros
Em fevereiro do ano passado, manifestação teve a presença de mais de 300 carros - FOTO: Mariana Acioli/Arquivo

O coordenador do movimento Pedágio Não, Paulo Bocuzzi, afirmou na tarde de ontem que são esperados mais de 700 veículos para o protesto com carreata marcado para a manhã de hoje em Mogi das Cruzes. A manifestação é contra o projeto do governo do Estado de implantar uma praça de pedágio na rodovia Mogi-Dutra (SP-88), no km 40.

A manifestação está sendo organizada desde a semana passada, com o anúncio do diretor-geral da Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), Milton Persoli, que confirmou a instalação da praça de cobranças como parte do pacote de privatizações do Lote Litoral Paulista. Segundo o edital publicado pela Artesp, serão instalados cinco pedágios no trecho privatizado.

De acordo com os organizadores, serão disponibilizados dois pontos de concentração, às 9h30, para os motoristas que irão participar do ato: no Posto Itamarathy (avenida Francisco Rodrigues Filho, 695, Mogilar), para veículos que estão na região central de Mogi, e no Posto Petrobrás (avenida Presidente General Dutra, 20, Cidade Parquelândia), na região do Aruã, que se encontrarão na estrada, totalizando mais de 700 veículos participantes. A saída está marcada para as 10 horas.

Bocuzzi informou que enviou as devidas notificações ao Departamento de Estradas de Rodagem (DER), à Polícia Militar e à Prefeitura de Mogi sobre a carreata, para garantir sua realização. "São esperados mais de 700 veículos, levando em conta números de carreatas anteriores e a mobilização que vem sendo feita durante a semana", apontou.

O movimento também lamentou o processo de desinformação feito pelo Estado. "Um exemplo foi uma declaração do vice-governador que não haveria cobrança do pedágio na atual gestão. Não deixa de ser verdade, mas induz ao erro, uma vez que a cobrança está marcada para começar em 2024, na próxima gestão. Por isso, nosso principal trabalho é tirar dúvidas do público", apontou. Bocuzzi diz que várias autoridades confirmaram presença no ato, como o prefeito Caio Cunha (Pode), os deputados estaduais André do Prado e Marcos Damásio (ambos do PL) e vereadores de Mogi.

Questionada pela reportagem, a Prefeitura informou que já declarou sua posição como totalmente contrária à implantação da praça de pedágio na Mogi-Dutra. "A administração vê com bons olhos a mobilização da sociedade civil, que reforça a posição de todo o município contra a medida proposta no edital da Artesp, que afetará diretamente o desenvolvimento da cidade, afastará investidores e prejudicará os milhares de motoristas que passam pela rodovia todos os dias", informou em nota.

A Mesa Diretiva da Câmara de Mogi, por sua vez, informou que está acompanhando o processo envolvendo o pedágio na cidade, e que não existe uma orientação unificada por parte da presidência da Casa em relação ao evento de hoje. "Fica a cargo de cada parlamentar participar. Vale lembrar que tanto os vereadores que compõem a Mesa, quantos aos demais, têm participado de várias manifestações contra o pedágio", ressaltou por nota.

Deixe uma resposta

Comentários