MP investiga fura-fila em cidades do Alto Tietê

Uma das favorecidas seria a filha da prefeita de Poá
Uma das favorecidas seria a filha da prefeita de Poá - FOTO: Flávio Aquino/Comunicação de Poá

O Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) investiga denúncia de fura-fila da campanha de imunização contra o coronavírus (Covid-19) pela vereadora de Poá, Patrícia Bin (PSDB), filha da prefeita Marcia Bin (PSDB). O caso já foi protocolado e segue em apuração dos procurados. Caso similar também se encontra sob investigação da promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social de Mogi das Cruzes em Biritiba Mirim.

Dois filhos de prefeitos do Alto Tietê podem ter furado a fila para conseguir adiantar a imunização contra a Covid-19. Em Poá, onde 307 moradores já morreram infectados com a doença, a suspeita está sobre a filha da prefeita, a vereadora Patrícia Bin de Sousa Sanches. O MP-SP confirmou que foram protocoladas denúncias de que a parlamentar peessedebista teria sido vacinada de forma irregular.

Farmacêutica por profissão, a defesa da vereadora argumenta que, como profissional da Saúde e voluntária na Campanha de Imunização contra Covid-19 em Poá, Patrícia teria direito à imunização. Questionado por mais detalhes sobre a denúncia, o MP-SP não especificou quando ocorreram os episódios.

Em Biritiba, investigação semelhante também ocorre com o filho do prefeito Carlos Alberto Taino Junior (PL), o Inho. Sob apuração da promotoria, a denúncia alega que Carlos Alberto Taino Neto teria sido vacinado indevidamente em Suzano, local onde trabalha em uma empresa privada do setor da Saúde. A defesa alega que os demais funcionários da empresa que exercem a mesma função também foram imunizados. Além disso, Carlos Alberto Taino Neto trabalha na empresa desde 2019, portanto, sua contratação não possui relação com a eleição do pai.

*Texto supervisionado pelo editor.