UTI Covid em Mogi tem um índice de ocupação de 77%

Nos leitos de Enfermagem, ocupação é de 57,3%
Nos leitos de Enfermagem, ocupação é de 57,3% - FOTO: Mariana Acioli

A taxa de ocupação das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) exclusivas para pacientes com coronavírus (Covid-19) em Mogi das Cruzes segue aumentando. Ontem, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, o índice era de 77,4%, cerca de cinco pontos percentuais acima do do registrado no começo da semana passada. Nos leitos de Enfermaria - usados para tratar pacientes com sintomas menos graves - a situação segue controlada e a taxa aponta ocupação de 57,3% .

Seguindo o ritmo de elevação cerca de uma semana atrás, ocupação dos leitos de UTI nos hospitais poderá se tornar preocupante nos próximos dias. Acrescido da confirmação de caso da variante indiana da Covid-19 já presente no Estado desde a quarta-feira passada, pelo Instituto Adolfo Lutz, os olhos dos moradores e autoridades se voltam para a situação dos hospitais.

Em Mogi, oito unidades de saúde atendem os pacientes com sintomas da doença. Contabilizando leitos estaduais, municipais e particulares, a cidade soma 164 UTIs, da quais 37 vagas estão livres, a maior parte delas (35) em unidades públicas. A taxa de ocupação de 77,4% acompanha a média registrada pelo governo do Estado para a região metropolitana de São Paulo, até ontem de 77,7% para UTI e 61,8% em Enfermaria.

Quando considerados os leitos de Enfermaria, distribuídos no Hospital Municipal, Hospital de Campanha, Santa Casa, Luzia de Pinho Melo, Hospital Ipiranga, Hospital Santana, Biocor e Mogimater, a ocupação é mais controlada. Das 237 vagas totais, 102 estão desocupadas. Equilíbrio também é registrado nas vagas exclusivamente públicas, onde 97 das 192 vagas desta ala hospitalar se encontravam livres nesta sexta-feira.

Em relação às mortes, o Alto Tietê registrou 32 óbitos por coronavírus. (L.K.)