Prefeituras realizam limpeza de piscinões e galerias na estiagem

Limpeza do sistema de escoamento é melhor nesta época graças à estiagem
Limpeza do sistema de escoamento é melhor nesta época graças à estiagem - FOTO: Divulgação/Secop Suzano

Com a chegada do período de estiagem em que ocorre a diminuição ou ausência das chuvas, as prefeituras do Alto Tietê têm aproveitado para intensificar os trabalhos de desassoreamento de piscinões e galerias. A Secretaria de Manutenção e Serviços Urbanos de Suzano, por exemplo, está atuando no desentupimento de bueiros na Vila Fátima (distrito de Palmeiras) e no Jardim Margareth (região norte) - a média é de 500 pontos desobstruídos por mês em toda a cidade.

Durante a semana passada, os serviços também se concentraram na conclusão do desassoreamento do rio Taiaçupeba-Mirim (distrito de Palmeiras), em parceria com a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), e na limpeza de valas de drenagem de águas pluviais no Jardim Monte Cristo, o que auxilia na manutenção do nível do rio Guaió.

Em Mogi das Cruzes, a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos explicou que tem executado a programação de limpeza, que inclui o piscinão da cidade, situado no Parque Santana e também os serviços de desobstrução e limpeza de galerias. Este piscinão já foi alvo de um amplo trabalho de limpeza no início do ano, para permitir que seguisse operando próximo de sua capacidade total.

Os trabalhos de limpeza de galerias também ocorrem de forma ininterrupta, conforme programação das equipes e também atendendo de forma emergencial eventuais urgências. Em Poá, as áreas mais afetadas pelas chuvas foram as Avenidas Anchieta, Adhemar de Barros, Francisco Corrêa Allen e nas vias de Calmon Viana.

A limpeza efetuada pela Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Naturais e Serviços Urbanos ocorre constantemente na cidade. Já a limpeza do piscinão de Poá, já está em planejamento pela pasta e deve ser feita em breve, após o término da licitação para os trabalhos.

Seca?

Em 2014, toda a região Sudeste do país, onde está o Alto tietê, sofreu um dos seus piores períodos de estiagem e as represas da região estavam com uma ocupação total de 32,4% no dia 19 de maio, um dos mais baixo do período de pouca chuvas. Passados sete anos, na mesma data deste ano, o número chegou a 58,6%.

Respectivamente, as bacias de Paraitinga, Ponte Nova, Biritiba, Jundiaí e Taiaçupeba suportavam uma ocupação de 42,7%, 36,8%, Biritiba, 23,5%, 26,6% e 29,9%. Na semana passada, na mesma data, os volumes estavam em 58,6%, 36,5%, 72,1%, 34,9%, 20,6% e 58,9%.