Ocupação dos leitos de UTI operam em redução

Em leve oscilação, a taxa de ocupação das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) para pacientes com coronavírus (Covid-19), em Mogi das Cruzes, estava em 76,2% ontem. De acordo com a atualização da Prefeitura, referente aos registros do conjunto de hospitais que atendem ao município, a taxa de ocupação está próxima da média de 78% da Grande São Paulo. Os leitos de Enfermaria operam com menos severidade, marcando ocupação de 53,1%.

Em comparação ao registrado na sexta-feira passada, houve pequena redução. Na ocasião o índice era de 77,4% na UTI e 57,3% na Enfermaria. As taxas de ocupação variam com frequência no decorrer do dia em virtude de fatores como altas, óbitos ou transferências para leitos de enfermaria ou UTI. No entanto, as mais recentes atualizações apontam elevação em comparação ao registrado há duas semanas.

No conjunto dos hospitais da rede estadual, municipal e privada de Mogi, existem 164 leitos de UTI, dos quais apenas 39 se encontravam disponíveis até ontem. Na ala da Enfermaria, as unidades totalizam 239 leitos, dos quais 112 se encontravam disponíveis. O cálculo de leitos leva em conta as seguintes unidades: Hospital Municipal, Santa Casa, Luzia de Pinho Melo, Hospital Ipiranga, Hospital Santana, Biocor e Mogimater.

Nos hospitais dos municípios vizinhos a ocupação é mais elevada. No Regional de Ferraz de Vasconcelos a ocupação da UTI era 84% e Enfermaria 80%. O Santa Marcelina de Itaquaquecetuba operava com UTI e Enfermaria em 100%.

Nas últimas 72 horas houve o registro de mais 19 mortes. As vítimas residiam nos municípios de Arujá, Ferraz, , Itaquaquecetuba, Mogi, Poá, Salesópolis e Santa Isabel.

*Texto supervisionado pelo editor.